Justiça

Portugal

Polícia de Portugal investiga morte de estudante brasileiro com conversa aberta no Discord

Pais conseguiram recuperar a conversa depois que a polícia entregou o computador e acredita que um usuário da plataforma o induziu ao suicídio.


A polícia de Coimbra, em Portugal, investiga a morte do estudante brasileiro Davi Souza Barbosa Dias, ocorrida em fevereiro deste ano.

O jovem de 18 anos foi encontrado morto no quarto, com computador aberto em uma conversa pela plataforma Discord e com sinais de induzimento ao suicídio, de acordo com a mãe. Ele estudava psicologia na Universidade de Coimbra.

Continua depois da Publicidade

O último contato dele com a família foi em 22 de fevereiro. O jovem, que estudava psicologia, foi encontrado sem vida e o corpo já estava em decomposição. A mãe Davi, Tatiane de Souza, de São Paulo, só foi informada no início de março.

Segundo inquérito policial, alunos que moram na residência estudantil da faculdade alertaram sobre o sumiço do rapaz. Para entrar no cômodo de Davi, era necessário usar um cartão.

Segundo a mãe, a família foi ao país dias depois, mas não houve reconhecimento do corpo, não foi colhido material genético e não teve registro fotográfico da cena em que ele foi encontrado. Davi foi cremado com a autorização dos pais após eles serem informados que não poderiam fazer o traslado do corpo ao Brasil.

A família obteve acesso, por volta do dia 20 de abril, ao computador de Davi e conseguiu ler conversas no Discord. Tatiane afirma que “ficou muito claro que uma pessoa o conduziu” à morte. Davi e um outro usuário começaram a conversar de forma privada no 14 de fevereiro. A mãe acredita que os dois se conheceram em fóruns de temas variados da plataforma.

“Nós fomos na polícia investigativa e fizemos uma queixa, pedindo que o caso fosse investigado, que a gente pudesse identificar qual era o teor da conversa entre o rapaz e outra pessoa pelo Discord.”

Na conversa, segundo a mãe, havia indícios de que ele cedeu ao pedido do outro usuário para se matar. “Essa pessoa volta no dia seguinte para poder confirmar se o Davi está morto. Ela pergunta isso [se estava morto]. Ela fala: ‘você era uma boa alma’”.

A troca de mensagens entre os dois foi recuperada pela família apenas com a ajuda de uma perícia particular. O material foi enviado à polícia de Portugal. Tatiane quer que o caso seja apurado como crime de incitamento ao suicídio.

“Eles [policiais portugueses] não tiveram uma preocupação de identificar o teor dessa conversa, identificar a pessoa com quem ele estava conversando. Eles simplesmente fecharam o computador, recolheram o computador, fecharam e entregaram”, lamenta.

O Comandante em Suplência do Comando Distrital da PSP de Coimbra encaminhou uma nota ao g1 e confirmou a ocorrência registrada em 2 de março de 2023 ao Departamento de Investigação e Ação Penal de Coimbra (DIAP). O Ministério Público de Coimbra informou que estão sendo feitas “diligências necessárias e possíveis à descoberta das circunstâncias que estiverem na origem da morte” assim como “eventual responsabilidade de terceiros”.

Depois que conseguiu reunir a conversa entre o filho e o outro usuário, o pai de Davi foi encontrado sem vida em casa.

g1 tentou contato por meio do Discord com o usuário que conversou com Davi, mas não houve retorno.

“Toda essa situação, esse descaso. Nós não tivemos um corpo para enterrar. Eu não pude ver o meu filho. Até a data de hoje, eu não tenho o laudo”, afirma a mãe.

Em nota, o advogado da família, Alexandre R. de Morais, afirmou que o caso expõe a fragilidade e insegurança que os jovens enfrentam.

“O contexto de extrema dor pela perda é ainda ampliado diante da falta de consideração e empatia dispensada a família pela universidade, pela empresa de gestão de estudantes e pelas autoridades portuguesas, absolutamente distantes sem prestar atendimento minimamente humano aos pais numa hora tão difícil”.

Nos últimos meses, reportagens do Fantástico mostraram como o a plataforma Discord foi utilizada em uma tentativa de levar jovens para um submundo de violência. Em julho, o Discord lançou uma ferramenta que permite que pais supervisionem contas de filhos adolescentes. Por meio da “Central da Família” (ou “Family Center”, em inglês), pais ou responsáveis são informados sobre parte das atividades de seus filhos na plataforma.

Em nota, o Discord afirmou que não pode se manifestar sobre casos específicos e ressaltou que tem colaboração contínua com o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) para manter os brasileiros mais seguros em uma ampla gama de questões de segurança pública (veja nota completa abaixo).

Últimas conversas

Entre as últimas conversas com Tatiane, Davi falava sobre combinar uma viagem juntos quando a mãe fosse a Portugal. O rapaz tratava depressão.

“Ele estava em um momento de crise. Eu não percebi isso nas conversas que eu tive com ele, eu percebi isso no comportamento dele com as outras pessoas no Discord, quando eu o vi falando muito de ansiedade, falando que ele tinha parado de usar os remédios. Ele não tinha falado isso comigo. Então, eu entendo que essa pessoa que esteve com ele, que conversou com ele, que o incentivou a fazer, essa pessoa identificou a vulnerabilidade.”

O que diz o Discord?

Em nota, o Discord diz que 99,9% dos usuários de Discord no Brasil não violaram políticas nos últimos 6 meses. Veja a nota:

“Temos uma política de tolerância zero para atividades em nossa plataforma que sejam potencialmente prejudiciais à sociedade e estamos comprometidos em garantir que seja um lugar positivo e seguro para todos. Embora não possamos comentar especificamente sobre esta situação, podemos confirmar que, se as autoridades policiais nos contatarem em relação a este assunto, nossa política é cooperar com a investigação de acordo com as leis locais aplicáveis.

Qualquer comportamento contrário a isso não promove o pertencimento e, portanto, vai contra a missão de nossa empresa. Utilizamos uma combinação de trabalho proativo e reativo para manter fora da plataforma o conteúdo e a atividade que violam nossas políticas.

Assim que tomamos conhecimento de conteúdo ou comportamento potencialmente prejudicial, investigamos e tomamos medidas, incluindo a remoção de conteúdo, banimento de usuários e desativação de servidores.

Por meio de nossos esforços proativos para combater ameaças à segurança infantil, 95% das ações contra usuários foram tomadas antes de recebermos uma denúncia – isso está alinhado com nosso compromisso de manter a plataforma mais segura no Brasil.

Gostaríamos de reconhecer a colaboração contínua que temos com o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) para manter os brasileiros mais seguros em uma ampla gama de questões de segurança pública. Por exemplo, nossa equipe forneceu informações cruciais que auxiliaram as autoridades policiais em seus esforços, resultando na prisão ou apreensão de mais de 300 indivíduos vinculados a ataques planejados a escolas, impedindo que os ataques ocorressem.

Também estamos trabalhando em áreas adicionais de colaboração com o MJSP para combater qualquer atividade criminosa em nossa plataforma, incluindo orientar as autoridades sobre como trabalhar conosco para obter uma resposta mais rápida e coordenada para suas solicitações.

Além disso, a Discord está comprometida em cooperar com as agências de aplicação da lei no Brasil enquanto trabalhamos em direção ao objetivo compartilhado de prevenir danos. Temos um representante designado para receber processos legais relacionados à aplicação da lei no Brasil. Solicitações das autoridades policiais devem ser enviadas ao representante legal devidamente nomeado da Discord no Brasil, Licks Attorneys, para o email [email protected].”

O que é e como funciona o Discord?

O Discord é uma plataforma de comunicação online que permite que os usuários conversem por meio de mensagens de texto, voz e vídeo. Apesar de ser popular entre os jogadores de games, também é usado por crianças e jovens para se comunicar com amigos e participar de comunidades.

Com informações do G1