Brasil

São Paulo

Herdeiro do criador de ‘Chaves’ fala sobre a volta da série e novos projetos: ‘me parece um ano muito bom’

Roberto Gómez Fernández, um dos filhos do mexicano Roberto Gómez Bolaños, detém os direitos autorais da obra dá a entender que um desfecho para a arrastada negociação pode acontecer este ano.


Meio sem querer, querendo, há quase quatro anos as séries “Chaves” e “Chapolin Colorado” estão fora do ar no mundo todo. Fenômenos absolutos no Brasil, os programas não estão em canais de televisão, no streaming ou no YouTube desde julho de 2020. O motivo do “apagão”, termo usado pelos fãs, é uma queda de braço entre a Televisa (emissora mexicana que é dona das fitas dos episódios) e o Grupo Chespirito, comandado por Roberto Gómez Fernández, que detém os direitos autorais da obra. Fernández é um dos filhos do mexicano Roberto Gómez Bolaños (1929-2014), o Pequeno Shakespeare (daí o Chespirito), grande mente por trás do universo ficcional de personagens como Seu Madruga, Chiquinha e Quico, além de Chaves e Chapolin, interpretados pelo próprio Bolanõs.

Em entrevista ao GLOBO por videochamada, Roberto Gómez Fernández dá a entender que um desfecho para a arrastada negociação pode acontecer este ano.

Continua depois da Publicidade

— O que posso dizer é que estou nisso todos os dias e que não descansarei enquanto não acontecer. Se uma janela se fechar, buscarei outra — afirma o empresário. — Sei que não é um caminho de linha reta. Mas é a maior responsabilidade que tenho, o retorno das séries originais. Não posso falar muito, mas há portas abertas. Me parece que 2024 será um ano muito bom.

Há uma figura que surge à margem nas tratativas: Florinda Meza, atriz que interpretava justamente Dona Florinda. Aos 75 anos, ela é viúva de Roberto Bolaños e ex-madrasta de Fernández. Em outubro do ano passado, ela se pronunciou com mais contundência, pela primeira vez, sobre o tal “apagão”. Em vídeo postado em suas redes sociais, disse que é “colaboradora literária dos programas” e que “um comprador já tentou por quatro vezes fazer a transação” em negociações para as quais ela não teria sido convidada. “Que tristeza. O público está esperando. O comprador também. Não fui eu que disse não”, afirmou.

Climão na vila

Os personagens de 'Chaves' — Foto: Divulgação
Os personagens de ‘Chaves’ — Foto: Divulgação

O clima entre Florinda Meza e os seis filhos de Roberto Bolaños, frutos de seu primeiro casamento, é pesado há muito tempo. Bolaños se separou de Graciela Fernández, em 1977, para assumir um romance com a atriz que interpretava a personagem ranzinza, sempre às broncas com seus vizinhos. Roberto Fernández evita repercutir os comentários da atriz.

— Prefiro não falar, por vários motivos. Não há questões jurídicas envolvidas, mas é um tema que creio que não deveria falar em público — explica.

Nem Florinda Meza nem representantes da Televisa responderam aos pedidos de entrevista do GLOBO.

Fato é que o tempo passa e a base de fãs segue incrédula com o apagão. Há demanda — SBT e Multishow já manifestaram desejo de voltar a exibir os programas. Um dos administradores do Fórum Chaves, maior comunidade de fãs das séries, com quase 500 mil seguidores só no Instagram, o jornalista Antonio Purcino lembra que em agosto deste ano serão comemorados 40 anos da estreia de “Chaves” e “Chapolin” no Brasil.

— A gente espera com muita ansiedade que haja logo um acordo. Algo concreto, porque escutamos muitas promessas e não vemos nada acontecer. É muito difícil a gente ter acesso às séries. Desde antes de 2020, a Televisa vem derrubando qualquer conteúdo no YouTube. Ficamos dependentes de pirataria e do nosso acervo — lamenta.

Para o dublador Gustavo Berriel — que, além de fã, é responsável pelas vozes de Nhonho e de Seu Barriga em parte dos episódios de “Chaves” — um final feliz passa mais pelas mãos da emissora mexicana:

— Sempre vi muita gente criticando a família pelo desacordo. Mas não vou muito para esse lado. Acho que a Televisa é a principal responsável. Acho que a emissora pode muito bem pagar o que as séries valem.

Raridades em São Paulo

'Creio que é a manifestação da obra e da pessoa de Roberto Gómez Bolaños mais rica que já vimos', diz executivo sobre a exposição no MIS Experience, que foi prorrogada até 30 de março — Foto: Felipe Piacente de Oliveira
‘Creio que é a manifestação da obra e da pessoa de Roberto Gómez Bolaños mais rica que já vimos’, diz executivo sobre a exposição no MIS Experience, que foi prorrogada até 30 de março — Foto: Felipe Piacente de Oliveira

Enquanto a negociação se arrasta, os fãs buscam outras formas de matar a saudade. Em São Paulo, o MIS Experience abriga desde 5 de janeiro “Chaves: a exposição”, maior mostra já feita em torno do universo de Bolaños. É um sucesso, já atraiu mais de cem mil visitantes e teve seu encerramento prolongado até 30 de março. Entre os diversos itens ao alcance do público, estão lá roteiros escritos por Bolaños, figurinos originais dos personagens e outros objetos raros. Fernández, que desde pequeno ia aos estúdios onde as séries eram gravadas, na companhia do pai, se emocionou quando viu a abertura da exposição em São Paulo.

— Creio que é a manifestação da obra e da pessoa de Roberto Gómez Bolaños mais rica que já vimos — diz o executivo, saudoso do pai. —Ele era muito disciplinado. Isso significava estudo, concentração, ensaio e repetição. Numa época em que a comédia para a televisão, pelo menos aqui no México, era improvisação.

São Paulo foi a primeira cidade a receber “Chaves: a exposição” e ainda não há previsão de que a mostra vá para outro lugar. Questionado sobre o porquê de a obra de seu pai ter dado tão certo no Brasil, Fernández reflete:

— Somos povos muito parecidos, temos idiossincrasias semelhantes. Uma atitude parecida em relação à vida, à gestão das emoções, ao dramático, mas também o apreço pelo humor e pela festa. A vila é um microcosmo cheio de contrastes. Acho que existem milhões de pessoas como Seu Madruga, por exemplo, no México e no Brasil. E obviamente eles se identificam.

O herdeiro de Bolaños adianta que uma série biográfica sobre seu pai, para a HBO, está a caminho. Também há um documentário brasileiro sobre “Chaves” à vista, de Calvito Leal e José Francisco Tapajós. As gravações começam ainda neste semestre, conforme anunciou ontem a coluna Play.

Antonio Purcino, do Fórum Chaves, consultor da mostra em São Paulo, opina, porém, que nada se compara as séries originais de “Chaves” e “Chapolin”:

— A marca continua forte, capaz de gerar audiência e consumo. É importante que haja novas produções. Mas nada substitui o produto original, clássico, que estamos acostumados a ver, com o talento de Roberto, de todo o grupo de atores e, no nosso caso, todo o grupo de dubladores.

Fonte: Agência O Globo