Internacional

Europa

O líder da oposição russa Alexei Navalny morreu, dizem autoridades penitenciárias

Alexei Navalny, o mais feroz inimigo do presidente russo, Vladimir Putin, que fez uma cruzada contra a corrupção oficial e organizou protestos massivos contra o Kremlin, morreu na prisão nesta sexta-feira (16), informou a agência penitenciária russa. Ele tinha 47 anos.


Navalny, de longe o líder da oposição mais famoso da Rússia, ganhou destaque há mais de uma década ao satirizar a classe de elite em torno de Putin e ao expressar alegações de corrupção em grande escala.

O Serviço Penitenciário Federal do Distrito Autônomo de Yamalo-Nenets disse em comunicado que Navalny “se sentiu mal” depois de uma caminhada na colônia penal IK-3 em Kharp, cerca de 1.900 quilômetros (1.200 milhas) a nordeste de Moscou.

Continua depois da Publicidade

Navalny, disse o serviço penitenciário, perdeu a consciência quase imediatamente.

“A equipe médica da instituição chegou imediatamente e uma equipe de ambulância foi chamada”, informou o serviço penitenciário.

“Foram realizadas todas as medidas de reanimação necessárias, que não deram resultados positivos. Os médicos da ambulância constataram a morte do condenado”.

“As causas da morte estão sendo estabelecidas.”

Putin foi informado sobre a morte de Navalny, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Navalny ganhou a admiração da oposição díspar da Rússia por ter regressado voluntariamente à Rússia em 2021 vindo da Alemanha, onde foi tratado pelo que os testes de laboratório ocidentais mostraram ser uma tentativa de envenená-lo com um agente nervoso.

Navalny disse na época que foi envenenado na Sibéria em agosto de 2020. O Kremlin negou ter tentado matá-lo e disse não haver evidências de que ele tenha sido envenenado com um agente nervoso.

Navalny estava detido numa colónia penal a norte do Círculo Polar Ártico. A colónia penal IK-3, localizada em Kharp, na região de Yamalo-Nenets, a cerca de 1.900 km (1.200 milhas) a nordeste de Moscovo, é considerada uma das prisões mais duras da Rússia.

Kharp fica a cerca de 100 quilómetros (60 milhas) de Vorkuta, cujas minas de carvão faziam parte do sistema soviético de campos de prisioneiros gulag. Ele foi condenado a 19 anos sob um “regime especial”.

‘Brutalmente assassinado’ pelo Kremlin

O editor de um jornal russo e ganhador do Prêmio Nobel da Paz, Dmitry Muratov, disse que a morte de Navalny foi um “assassinato”, acrescentando que acreditava que as condições da prisão levaram à sua morte.

Moscovo tem uma “pesada responsabilidade” pela morte de Navalny numa colónia prisional do Ártico, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros da Noruega.

“O governo russo tem uma grande responsabilidade”, escreveu o ministro das Relações Exteriores, Espen Barth Eide, no X, acrescentando que estava “profundamente triste com a notícia”.

A França disse que Navalny pagou com a vida por resistir à “opressão” sob Putin.

“Alexei Navalny pagou com a vida pela sua resistência a um sistema de opressão”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Stéphane Séjourné, no X. “A sua morte numa colónia penal lembra-nos a realidade do regime de Vladimir Putin”, disse Sejourne, expressando condolências a A família de Navalny e o povo russo.

O presidente da Letônia, Edgars Rinkevics, disse no X que o líder da oposição russa Alexei Navalny foi “brutalmente assassinado pelo Kremlin”.

“Quaisquer que sejam os seus pensamentos sobre Alexei Navalny como político, ele foi brutalmente assassinado pelo Kremlin. Isso é um fato e é algo que devemos saber sobre a verdadeira natureza do atual regime da Rússia”, disse o presidente Edgars Rinkevics no X, oferecendo condolências a Parentes de Navalny.

Charles Michel, da UE, disse que Navalny “lutou pelos valores da liberdade e da democracia”, acrescentando que enviou as suas condolências à família de Navalny e “aqueles que lutam pela democracia”.

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, disse que a morte de Navalny foi uma “notícia terrível”, acrescentando que ele “demonstrou uma coragem incrível ao longo da sua vida”.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, disse estar “muito triste” com os relatos sobre a morte de Navalny, dizendo que foi

um sinal “terrível” de como a Rússia, como país, mudou nos últimos anos.

Com informações da AFP, AP e Reuters