Brasil

Terrosrismo

Preso no Rio por envolvimento com Hezbollah disse que foi contatado para show de pagode no Líbano. PF não acreditou

Viagens teriam sido pagas por pelo sírio naturalizado brasileiro Mohamad Khir Abdulmajid, procurado pela Interpol e principal alvo da investigação da ameaça terrorista pela PF.


O homem preso no Rio de Janeiro neste domingo por suspeita de envolvimento com o Hezbolah alegou que foi contatado para show de pagode no Líbano. A Polícia Federal não acredita na versão.

O suspeito confirmou que esteve no Líbano. As viagens teriam sido pagas por pelo sírio naturalizado brasileiro Mohamad Khir Abdulmajid, procurado pela Interpol e principal alvo da investigação da ameaça terrorista pela PF.

Continua depois da Publicidade

Os três homens presos até agora são suspeitos de estarem sendo aliciados pelo Hezbollah para funcionarem como apoiadores para a parte logística da operação.

O terceiro suspeito foi preso no Rio, em Copacabana, e é músico. Por isso, alegou que o interesse de Abdulmajid era por shows de pagode. A PF descarta totalmente essa versão. Ele tem antecedentes por tráfico e furto qualificado.

Com informações da CNN