Guerra

Oriente Médio

Israel aceita proposta de cessar-fogo e aguarda resposta do Hamas

Os Estados Unidos confirmam, segundo a AP, que Israel aceitou essencialmente um acordo de cessar-fogo e libertação de reféns. Agora é a vez do Hamas aceitar.


Os israelitas aceitaram um acordo de cessar-fogo durante seis semanas para se proceder à libertação de reféns do Hamas, incluindo doentes, feridos, idosos e mulheres.

“A bola está do lado do Hamas e continuaremos a tentar que seja aceite o máximo possível”, disse um oficial dos EUA que exigiu a condição de anonimato, uma vez que não está autorizado a partilhar esta informação, avança a Associated Press (AP).

Continua depois da Publicidade

Os israelitas aceitaram um acordo de cessar-fogo durante seis semanas para se proceder à libertação de reféns do Hamas, incluindo doentes, feridos, idosos e mulheres – Foto: reprodução

Muitos mortos na área da ajuda humanitária

Muitos dos palestinos mortos ou feridos no caos enquanto tentavam conseguir sacos de farinha de um comboio de ajuda humanitária foram atingidos por disparos israelenses, disse neste sábado (02) o serviço diplomático da União Européia, insistindo em uma investigação internacional.

A indignação está aumentando devido o desespero de milhares de pessoas que lutam para sobreviver em Gaza, após quase cinco meses de combates entre Israel e o Hamas.

Aviões militares dos Estados Unidos iniciaram neste sábado os primeiros lançamentos de alimentos pelo ar em Gaza, e o exército do Egito disse que também realizou lançamentos do aéreos.

“A responsabilidade por este incidente recai sobre as restrições impostas pelo Exército israelense e as obstruções por parte de extremistas violentos do Hamas no fornecimento de ajuda humanitária”, disse o Serviço Europeu de Ação Exterior.

Povo palestino está morrendo de fome

Os habitantes do norte de Gaza descrevem que começaram a procurar alimentos nos escombros de edifícios e no lixo para alimentar seus filhos, que mal comem uma vez por dia. Muitas famílias começaram a misturar alimentos para animais e aves com cereais para fazer pão. As agências de ajuda internacional dizem que se depararam com uma fome catastrófica.

“Estamos morrendo de fome”, disse Soad Abu Hussein, viúva e mãe de cinco filhos, que vivem em uma escola no campo de refugiados de Jabaliya. Pelo menos 10 crianças morreram de fome, segundo registos hospitalares de Gaza, disse a Organização Mundial da Saúde.

O Norte de Gaza foi o mais afetado pelo conflito que começou quando o grupo armado Hamas lançou um ataque contra o Sul de Israel em 7 de Outubro, matando 1.200 pessoas, na sua maioria civis, e tomando cerca de 250 reféns.

A ofensiva militar israelense em Gaza matou pelo menos 30.320 pessoas e deixou pelo menos 71.000 feridos, segundo fontes palestinas (não confirmadas oficialmente), que não distinguem entre civis e combatentes nos seus números, mas dizem que as mulheres e as crianças representam cerca de dois terços dos mortos.

Ainda hoje, na cidade de Rafah, no extremo sul de Gaza, onde agora procura refúgio mais da metade da população do território sitiado, um ataque aéreo israelense atingiu tendas em frente ao hospital emir, matando pelo menos 11 pessoas e ferindo cerca de 50.

Aproximadamente uma em cada seis crianças menores de 2 anos no norte sofre de desnutrição aguda e emaciação (perda de massa muscular e de gordura; extremo emagrecimento), “o pior nível de desnutrição infantil em qualquer parte do mundo”, disse esta semana Carl Skau, subdiretor do Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA). “Se nada mudar, uma fome é iminente no norte de Gaza”.

O desespero por comida é tal que as pessoas atacaram os caminhões que entregavam ajuda alimentar e tomam posse daquilo que podem, disse Skau.

“A ruptura da ordem civil, impulsionada por puro desespero, impede a distribuição segura da ajuda, e temos o dever de proteger o nosso staff“, afirmou.

Tiros contra a multidão

Na violência de quinta-feira, centenas de pessoas correram para chegar a cerca de 30 camiões que transportavam ajuda para o norte. Os palestinos disseram que soldados israelenses dispararam contra a multidão. Israel disse que disparou tiros de advertência e insistiu que muitos dos mortos foram esmagados pela avalanche de gente.

Abu Hussein, viúva, disse que mais de 5.000 pessoas, na sua maioria mulheres e crianças, que vivem com ela na escola de Jabaliya não receberam qualquer ajuda durante mais de quatro semanas. Os adultos comem uma refeição ou menos para guardar para as crianças, acrescentou.

Um grupo de pessoas foi à costa para tentar pescar, mas três morreram e dois foram feridos por disparos de navios israelenses, disse. “Só queriam conseguir algo para seus filhos”.

O exército israelense ainda não respondeu sobre os eventos.