Internacional

Guerra

A rebelião do grupo Wagner destruiu o mito de que Putin é intocável

O maior desafio para o presidente russo, Vladimir Putin, em suas mais de duas décadas no poder, fracassou depois que o comandante mercenário rebelde que ordenou que suas tropas marchassem sobre Moscou. Prigozhin acusou abertamente os militares da Rússia de atacar um acampamento do Wagner e matar uma “grande quantidade” de seus homens. Ele prometeu retaliar com força, insinuando que suas forças iriam “destruir” qualquer resistência, incluindo bloqueios de estradas e aeronaves. “Somos 25 mil e vamos descobrir por que existe tanto caos no país”, disse ele.


As forças do grupo paramilitar Wagner deixam suas posições na Rússia neste domingo (25), por ordem de seu líder, Ievguêni Prigojin, que decidiu voltar atrás na operação, após ter desafiado frontalmente a autoridade do presidente russo Vladimir Putin. Para especialistas, o regime de Moscou sai enfraquecido após essa tentativa de golpe.

Prigozhin voltou atrás em sua ameaça, dizendo que sua crítica à liderança militar russa era uma “marcha de justiça” e não um golpe, mas a essa altura ele parece já ter passados dos limites com o Kremlin.

Continua depois da Publicidade

A crise então se aprofundou quando Prigozhin declarou que seus combatentes haviam entrado na região russa de Rostov e ocupado instalações militares importantes em sua capital. A cidade de Rostov-on-Don é a sede do comando militar do sul da Rússia e lar de cerca de um milhão de pessoas.

Prigozhin divulgou um vídeo dizendo que suas forças bloqueariam Rostov-on-Don, a menos que o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, e o principal general da Rússia, Valery Gerasimov, fossem encontrá-lo.

Yevgeny Prigozhin, líder do grupo Wagner – Foto: reprodução

Prigozhin passou meses protestando contra Shoigu e Gerasimov, a quem ele culpa pela vacilante invasão da Ucrânia por Moscou.

A breve revolta , porém, expôs vulnerabilidades entre as forças do governo russo, com os soldados do Grupo Wagner sob o comando de Yevgeny Prigozhin capazes de se mover sem impedimentos para a cidade russa de Rostov-on-Don e avançar centenas de quilômetros (milhas) em direção a Moscou. Os militares russos lutaram para defender a capital da Rússia.

Sob o acordo anunciado no sábado pelo porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, Prigozhin irá para a vizinha Bielo-Rússia , que apoiou a invasão da Ucrânia pela Rússia. As acusações contra ele de montar uma rebelião armada serão retiradas.

O governo também disse que não processaria os combatentes de Wagner que participaram, enquanto aqueles que não aderiram deveriam receber ofertas de contratos do Ministério da Defesa. Prigozhin ordenou que suas tropas voltassem para seus acampamentos na Ucrânia, onde lutam ao lado de soldados regulares russos.

Na manhã deste domingo (25), ainda não havia relatos de Prigozhin chegando à Bielo-Rússia. Muitas outras questões permaneceram sem resposta, incluindo se Prigozhin seria acompanhado no exílio por qualquer uma das tropas de Wagner e que papel, se houver, ele poderia ter lá.

Máscaras do presidente russo Vladimir Putin, à direita, e do proprietário da empresa militar privada Wagner Group, Yevgeny Prigozhin são vendidas em uma loja de souvenirs em São Petersburgo, Rússia – Foto: reprodução

Prigozhin, que enviou uma série de atualizações de áudio e vídeo durante sua revolta, ficou em silêncio desde que o Kremlin anunciou que o acordo havia sido negociado para que ele encerrasse sua marcha e deixasse a Rússia.

Um vídeo postado em canais de aplicativos de mensagens russos de Rostov-on-Don mostrou pessoas aplaudindo as tropas de Wagner quando elas partiram. Alguns correram para apertar a mão de Prigozhin, que estava em um SUV. O governador regional disse mais tarde que todas as tropas haviam deixado a cidade.

Putin havia prometido punir os responsáveis ​​pelo levante armado liderado por seu antigo protegido. Em um discurso televisionado para a nação, ele chamou a rebelião de “traição”.

Grupo militar Wagner – Foto: reprodução

Ao permitir que Prigozhin e suas forças fossem libertados, disse Peskov, o “objetivo maior” de Putin era “evitar derramamento de sangue e confronto interno com resultados imprevisíveis”.

O risco para Putin é se ele será visto como fraco, disseram analistas.

“Putin foi diminuído para sempre por causa deste caso”, disse o ex-embaixador dos EUA na Ucrânia, John Herbst, à CNN.

Moscou se preparou para a chegada das forças de Wagner erguendo postos de controle com veículos blindados e tropas no extremo sul da cidade. Cerca de 3.000 soldados chechenos foram retirados dos combates na Ucrânia e levados para lá no início do sábado, informou a televisão estatal na Chechênia. Tropas russas armadas com metralhadoras colocaram postos de controle na periferia sul de Moscou. As equipes cavaram trechos de rodovias para retardar a marcha.

As tropas de Wagner avançaram para apenas 200 quilômetros (120 milhas) de Moscou, de acordo com Prigozhin. Mas depois que o acordo foi fechado, Prigozhin anunciou que havia decidido recuar para evitar “derramar sangue russo”.

Na manhã de domingo, algumas restrições ainda estavam em vigor ao longo da principal rodovia entre Moscou e Rostov-on-Don, embora as restrições de tráfego estivessem sendo gradualmente suspensas em outros lugares.

Mercenários do Grupo Wagner (carne para canhão) a frase que fez Putin estremecer – Foto: reprodução

Prigozhin exigiu a destituição do ministro da Defesa, Sergei Shoigu, a quem Prigozhin há muito critica em termos fulminantes por sua conduta na guerra de 16 meses na Ucrânia.

Se Putin concordasse com a expulsão de Shoigu, isso poderia ser politicamente prejudicial para o presidente depois que ele rotulou Prigozhin de traidor traidor.

Os EUA tinham informações de que Prigozhin vinha acumulando suas forças perto da fronteira com a Rússia há algum tempo. Isso entra em conflito com a afirmação de Prigozhin de que sua rebelião foi uma resposta a um ataque a seus acampamentos na Ucrânia na sexta-feira pelos militares russos.

Ao anunciar a rebelião, Prigozhin acusou as forças russas de atacar os campos de Wagner na Ucrânia com foguetes, helicópteros e artilharia. Ele alegou que o general Valery Gerasimov, chefe do Estado-Maior, ordenou os ataques após uma reunião com Shoigu na qual decidiram destruir o empreiteiro militar.

O Ministério da Defesa negou ter atacado os campos.

Os líderes do Congresso foram informados sobre o acúmulo de Wagner no início da semana passada, disse uma pessoa familiarizada com o assunto. A pessoa não estava autorizada a falar publicamente e falou com a Associated Press sob condição de anonimato. O briefing de inteligência dos EUA foi relatado pela primeira vez pela CNN.

Uma possível motivação para a rebelião de Prigozhin foi a exigência do Ministério da Defesa da Rússia, que Putin apoiou, de que empresas privadas assinassem contratos com ele até 1º de julho. Prigozhin se recusou a fazê-lo.

“Pode ser que ele tenha atacado agora porque viu esse prazo como um perigo para o controle de suas tropas”, escreveu Herbst em um artigo para o Atlantic Council.

No início do sábado, o exército privado de Prigozhin parecia controlar o quartel-general militar em Rostov-on-Don, uma cidade a 660 milhas (mais de 1.000 quilômetros) ao sul de Moscou, que comanda as operações russas na Ucrânia, disse o Ministério da Defesa da Grã-Bretanha.

A mídia russa informou que vários helicópteros e um avião militar de comunicações foram derrubados pelas tropas de Wagner. O Ministério da Defesa da Rússia não comentou.

Tropas e equipamentos de Wagner também estavam na província de Lipetsk, cerca de 360 ​​quilômetros (225 milhas) ao sul de Moscou.

O prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin, declarou a segunda-feira um dia não útil para a maioria dos residentes como parte da segurança reforçada, uma medida que permaneceu em vigor mesmo após o recuo.

Os ucranianos esperavam que as lutas internas russas criassem oportunidades para seu exército retomar o território tomado pelas forças russas.

“Esses eventos terão sido de grande conforto para o governo ucraniano e para os militares”, disse Ben Barry, membro sênior de guerra terrestre do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos. Ele disse que mesmo com um acordo, a posição de Putin provavelmente foi enfraquecida.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, disse no sábado, pouco antes de Prigozhin anunciar sua retirada, que a marcha expôs a fraqueza no Kremlin e “mostrou a todos os bandidos, mercenários e oligarcas russos” que é fácil capturar cidades russas “e, provavelmente, arsenais”.

As tropas de Wagner desempenharam um papel crucial na guerra da Ucrânia, capturando a cidade oriental de Bakhmut , uma área onde ocorreram as batalhas mais sangrentas e longas. Mas Prigozhin tem criticado cada vez mais o alto escalão militar, acusando-o de incompetência e de privar suas tropas de munições.

Prigozhin, de 62 anos, ex-presidiário, tem laços de longa data com Putin e ganhou contratos lucrativos de serviços de bufê no Kremlin que lhe renderam o apelido de “chef de Putin”.

Ele e uma dúzia de outros cidadãos russos foram acusados ​​nos Estados Unidos de operar uma campanha secreta nas redes sociais com o objetivo de fomentar a discórdia antes da vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de 2016. Wagner enviou empreiteiros militares para a Líbia, Síria, vários países africanos e, eventualmente, a Ucrânia.

(Com informações da AP)