Brasil

Saúde

Formações técnicas em saúde: as melhores alternativas para quem quer entrar no mercado

O eixo de ambiente e saúde é o que acumula mais alunos matriculados no Brasil.


Quando se pensa em curso técnico no eixo de ambiente e saúde, a enfermagem costuma ser a principal referência. No entanto, segundo o Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT) do Ministério da Educação (MEC), o Brasil tem 41 opções oficiais de cursos nesse eixo.

Para quem gosta da área, mas tem dúvida quanto a cursar enfermagem, conhecer as outras opções é uma ótima ideia de como começar o planejamento do seu futuro profissional.

Continua depois da Publicidade

O eixo de ambiente e saúde é o que acumula mais alunos matriculados no Brasil. Foram quase meio milhão de estudantes (480 mil), em 2020, nas modalidades concomitante (em contraturno ao ensino médio), integrado (ao ensino médio) ou subsequente (após o ensino médio). Os dados são do Observatório da Educação Profissional e Tecnológica (EPT).

A maior busca por formação nessa área se alinha a um aumento da atenção mundial para a saúde, especialmente com o crescimento da população, que chegou a oito bilhões em 2022.

Especificamente no Brasil, a alta da expectativa de vida também é um fator relevante. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), atualmente o brasileiro vive, em média, 76,2 anos. A estimativa é que essa idade chegue a 88,2 anos até 2100.

“A área da saúde sempre foi indicada por conta da alta demanda. É um setor que está sempre necessitando de mão de obra, então essa busca da profissionalização para um curso técnico voltada para o âmbito da saúde é sempre bem-vinda. Certamente os cursos técnicos voltados para o paciente ou clientes ainda são uma boa opção”, comenta o coordenador do eixo de saúde do Centro de Ensino Técnico (Centec), professor Joaquim Rodrigues.

Opções

Além do curso técnico em enfermagem, seu carro-chefe de matrículas, a escola possui alunos em cursos técnicos de radiologia, nutrição e dietética, análises clínicas, massoterapia, estética e farmácia. Há ainda a formação de auxiliar de saúde bucal e massoterapia e especializações técnicas para pessoas já formadas em enfermagem.

O professor Joaquim Rodrigues dá algumas dicas para escolher a formação que melhor se adeque ao que o aluno procura.
“É muito importante que você primeiro conheça cada um dos cursos, saiba como funciona a rotina e veja se tem elementos que você já tem uma aptidão ou que gostaria de trabalhar no dia a dia. Uma dica é fazer testes vocacionais, seja com um psicólogo ou on-line, para ajudar nesse momento de escolha”, aconselha o coordenador.

Rotina

Embora os cursos estejam em um mesmo eixo, a rotina de cada um deles pode variar bastante. O professor Joaquim detalha algumas dessas diferenças. “No caso do Técnico em Radiologia, o trabalho está mais voltado para realização de exames de imagem, em auxílio a um médico radiologista. Costumam ter pouco contato com o paciente, similar ao que acontece com o técnico em análises clínicas, que fica mais voltado à preparação de amostras, execução de testes e análise de resultados”, afirma.

Já os técnicos em farmácias se dedicam a trabalhar em drogarias, hospitais ou clínicas privadas. A principal função é a dispensa de medicamentos e orientação a pacientes, além de organização dos fármacos. Por fim, o técnico em nutrição e dietética costuma trabalhar na avaliação nutricional, avaliação de planos dietéticos, preparar cardápios e acompanhar pacientes.

Salário e mais

Talvez você também queira levar em consideração para a escolha a média salarial de cada profissão. Os valores abaixo constam na plataforma Salário, site que baseia as remunerações na pesquisa Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), da Secretaria da Previdência e Trabalho do governo federal, e por indicações de usuários.

De acordo com o levantamento, um técnico em radiologia ganha, em média, R$ 2.448, podendo chegar a R$ 3.967. Já o técnico em análises clínicas recebe cerca de R$ 1.942, podendo chegar a R$ 3.576. A remuneração média do técnico em nutrição é de R$ 2.124 e pode ir até R$ 3.512. Por fim, o técnico em farmácia recebe, em média, R$ 2.296,59, podendo chegar a R$ 4.314.

A duração de cada curso pode variar a depender da instituição, mas no Centec a formação pode ser finalizada em 18 meses. A exceção fica para os cursos de radiologia e enfermagem, com duração de 20 meses.

Todos os cursos estão disponíveis nos três horários, sendo que, no caso da enfermagem e radiologia, também há disponibilidade de aulas somente aos sábados, para quem não tem tempo de estudar durante a semana.

Com informações da Agência Repercussão