Política

Investigada por lavagem de dinheiro, Elisabeth Valeiko ostenta viagens nas redes sociais

A ex-primeira-dama de Manaus é investigada desde 2019 pelo MP-AM por suspeita de crimes contra a administração pública e lavagem de dinheiro.


A ex-primeira-dama de Manaus, Elisabeth Valeiko, esposa do ex-prefeito Arthur Virgílio Neto, que é investigada desde 2019 pelo Ministério Público do Amazonas por suspeita de crimes contra a administração pública e lavagem de dinheiro relacionados à época em que presidia o Fundo Manaus Solidária, atualmente ostenta viagens a lugares paradisíacos e vida de luxo nas redes sociais.

As postagens da ex-primeira-dama sempre trazem legendas de reflexão e nunca é marcado o local em que as fotos foram tiradas. Outro ponto que chama a atenção é que Elisabeth Valeiko limitou comentários em sua página no Instagram.

Continua depois da Publicidade

Operação Boca Raton
Aberto em 2019, o inquérito que deu origem a Operação Boca Raton apura a evolução patrimonial de Elisabeth após ela assumir o cargo de presidente do Fundo Manaus Solidária, autarquia da Prefeitura de Manaus em 2017. Conforme as investigações, a ex-primeira-dama comprou um veículo avaliado em R$ 176 mil e um apartamento avaliado em R$ 218 mil.

O nome da operação fazia alusão à cidade Boca Raton, na costa sudeste da Flórida (EUA), onde ela, a filha, Paola Valeiko Molina, e o genro, Igor Gomes Ferreiraum, também investigados, teria adquirido imóveis. A cidade é conhecida pelos campos de golfe, parques e praias.

Em 2020 e 2021, Elisabeth foi alvo de busca e apreensão, quebra de sigilo de dados bancários, fiscais e bursáteis [relativo à transação na bolsa de valores], e quebra de sigilo de seus dados telemáticos. Em abril de 2022, a desembargadora Mirza Telma Cunha, do TJAM, anulou a quebra de sigilo bancário, fiscal e bursátil da ex-primeira-dama.

Pedido de anulação
Em janeiro de 2023, o vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Og Fernandes, negou, um pedido de Elisabeth Valeiko, para a Justiça suspender investigações conduzidas pelo MP-AM apurar crimes contra administração pública e lavagem de dinheiro eventualmente praticados por ela, a filha, Paola Valeiko Molina, e o genro, Igor Gomes Ferreira.

Com informações do AM Post