AnúncioAnúncio

Política

Manaus

Com popularidade em queda, Amom processa vários jornalistas no AM

O deputado federal e pré-candidato a prefeito de Manaus, Amom Mandel (Cidadania), é acusado por diversos jornalistas e portais de comunicação do Amazonas de tentar censurar críticas contra ele, por meio de processo na Justiça. Diversos profissionais e veículos de comunicação relatam que Mandel classifica críticas como fake news e recorre à justiça para processar seus censores.


Confira agora, uma breve lista de manifestações públicas dos profissionais que reiteram o comportamento, – considerado até mesmo ditadorial – de Mandel. Amom é filho da magistrada Elza Vitória de Sá Peixoto Pereira de Mello e neto do desembargador Domingos Jorge Chalub e ainda, enteado do Conselheiro do Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) e recorre constantemente ao judiciário para impedir que seu nome seja noticiado da forma como ele não quer.
Portal do Holanda, Amazonas1, Revista Cenarium, Portal Agora Manaus,  Jornalista Alex Braga, Cientista político Bryan Dolzane, Ageu Berger Pontes, líder de movimento de direita, Sérgio Roberto Kruke da Costa, também líder do movimento direita amazonas, estão na lista de processados pelo parlamentar.
A série de processos é alvo de críticas de jornalistas em Manaus, especialmente por violar o direito à liberdade de imprensa previsto em Lei, adequando-se a uma postura adotada em ditaduras.
O jornalista Bryan Dolzane se manifestou contra o que chamou de tentativa de censura após ser processado por Mandel. Ele ressaltou que todas as suas críticas feitas nas redes sociais ao parlamentar do Amazonas foram feitas dentro dos limites da liberdade de expressão garantida pela constituição.

“A minha crítica sempre é dentro da liberdade de expressão resguardada pela constituição federal. Eu tenho o direito constitucional de lhe criticar, de achar o seu trabalho ruim, essa e a minha opinião e o senhor não pode me censurar“ disse, Bryan Dolzane  – Foto: reprodução

“Tudo porque ele se incomodou com as minhas críticas a ele nas minhas redes sociais. Críticas essas que nunca atentaram contra a sua honra. Você não encontra publicações minha usando palavras de baixo calão contra o deputado, falando da sua família ofendendo a sua honra ou de sua família. A minha crítica sempre é dentro da liberdade de expressão resguardada pela constituição federal. Eu tenho o direito constitucional de lhe criticar, de achar o seu trabalho ruim, essa e a minha opinião e o senhor não pode me censurar“, disse.

Extorsão

Outra vítima de Amom, foi o jornalista do portal Vocativo, Fred Santana, que desmentiu o parlamentar que acusava profissionais de comunicação de extorqui-lo, em meio a um processo seletivo para recrutar um consultor técnico de assessoria de imprensa.
“Mentira. Não pedi pra falar bem de você e a sua equipe que estava lá na ocasião e ouviu nossa reunião quando você me chamou provará isso no momento adequado. Estranhamente, quando eu disse que colocaria em contrato a minha independência editorial, você retirou a oferta”, respondeu Santana que participou do processo.

Projeto de Ditador

O jornalista Alex Braga teceu críticas a Mandel por meio de uma postagem no Instagram, da qual ele fez uma montagem da foto dele com a do ditador norte-coreano, Kim Jong-un e a frase: “Amom é um projeto de ditador”. A crítica do jornalista veio após um ataque de Mandel, que não gostou de ser questionado sobre qual motivo o fez levar a namorada até a COP 28 em Dubai, Emirados Árabes.
A tática de Mandel também foi adotada contra a blogueira de política e turismóloga no município de Presidente Figueiredo, Kamila Fernanda, que além de questionar a viagem do casal à Dubai em dezembro de 2023 e também comentou sobre a polêmica envolvendo as Rondas Ostensivas Cândido Mariano (Rocam), na zona leste de Manaus.
A blogueira explicou que a ação na Justiça tem relação com o vídeo que ela divulgou após a polêmica abordagem da Rocam ao deputado no dia 4 de janeiro deste ano. O deputado e outros ocupantes do carro em que estavam foram conduzidos ao 14° Distrito Integrado de Polícia (DIP),  após o veículo ter sido abordado durante a ‘Operação Impacto’. Supostamente, Amom teria tentado contornar a abordagem com uma “carteirada” diante de dos policiais.

Foto: reprodução

O empresário Marcelo Generoso, proprietário do Portal do Generoso, também falou sobre o processo de silenciamento feito pelo parlamentar.  “Nós somos constantemente alvo de processos. Essa semana mesmo eu recebi uma notificação em que eu, a Cileide Moussallem, do CM7, o Garcia Júnior da Rádio Laranjeiras, estamos sendo processados pelo pré-candidato [a prefeito de Manaus] Amom Mandel porque nós divulgamos um vídeo que mostra ele jogando lixo na frente da secretaria municipal de limpeza [SEMULSP] e nesse vídeo tem uma frase escrita ‘criminoso’. Mas criminoso não é ele e sim o ato que estava cometendo, por que é crime ambiental, claro”, disse Generoso.

Liberdade de imprensa

A Lei 5.250, de 1967, aponta em seu Art . 1º: “É livre a manifestação do pensamento e a procura, o recebimento e a difusão de informações ou idéias, por qualquer meio, e sem dependência de censura, respondendo cada um, nos têrmos da lei, pelos abusos que cometer”, algo que, pela demanda de processos, Amom parece desconhecer.
Até o momento o deputado não se manifestou sobre os processos, para além de dizer que está lutando para que sua imagem seja preservada. O espaço segue aberto para ele comentar sobre as iniciativas contra a imprensa.
Com informações do Fiscaliza Manaus