Justiça

Amazonas

Presidente afastado do futebol do TJDAM quebra o silêncio e acusa “manobra” do presidente da FAF Ednailson Rosenha

Edson Rosas Júnior, Presidente do Tribunal de Justiça Desportiva e Larissa Ponce Guimarães, Secretária Geral do Tribunal, foram acusados pelo Presidente da FAF, Rozenha, sendo posteriormente punidos com o Afastamento temporário de suas funções, por supostamente terem praticados apropriação indébita de recursos do Tribunal de Justiça Desportiva.


Em entrevista ao Portal CINCO nesta sexta-feira (22) o advogado Edson Rosas Junior afirmou que está sendo atacado frontalmente pelo presidente da Federação Amazonense de Futebol – FAF, Ednailson Rosenha, que, segundo o advogado, nunca cumpriu a Legislação Desportiva. 

“A verdade é que os Tribunais de Justiça Desportiva são mantidos pelas respectivas Federações de cada Estado, sempre com repasses e pagamento de despesas para o funcionamento da estrutura mínima do Tribunal. No Amazonas, a Federação Amazonense de Futebol na gestão anterior de Dissica Tomaz, o TJDAM sempre recebeu aporte financeiro para seu funcionamento, mesmo na época em que Pedro Augusto assumiu interinamente a Presidência da FAF.” Afirma, Edson Rosas.

Continua depois da Publicidade

“A partir da posse de Rozenha como Presidente a coisas mudaram pra pior. Rozenha nunca cumpriu a Legislação Desportiva referente à manutenção do TJDAM, comprometendo seriamente seu funcionamento.”  esclareceu, Edson Rosas.

“Rozenha vem cometendo ainda interferência direta nos julgamentos realizados no TJDAM. Sempre que alguma decisão contraria a vontade de Rozenha, ele se articula pra tentar reverter as decisões. Porém, sem sucesso, ele passou a ser inimigo do TJDAM, até que culminou na Representação que afastou o Presidente Edson e sua Secretária Geral.” Disse, Carlos Henrique de Souza, advogado de Edson Rosas.

“Rozenha quer desacreditar a Justiça Desportiva, por meio da desmoralização de seu Presidente Edson Rosas. Rozenha é um inimigo da Justiça Desportiva e iremos provar isso em juízo e para toda a sociedade”. acrescenta, Carlos Souza.

“A FAF precisa ser investigada. Na verdade, precisa ser fiscalizada pelo Ministério do Trabalho, pois a FAF, ao que parece, não recolhe os encargos sociais dos funcionários. Rozenha acredita que a Justiça Desportiva tem que servir aos desmandos da FAF, e cada vez que é contrariado impõe mais boicote econômico ao Tribunal” finalizou Carlos Souza.

Acusado de apropriação indébita dos recursos advindos de aplicação de penalidades de multa ao clubes, dirigentes e atletas, que somam um total de R$ 21.000,00, desde janeiro deste ano. As despesas mensais do TJDAM perfazem um total de 28.000,00 por mês, portanto, as multas aplicadas sequer são suficientes para pagar um mês. 

Rosas rompeu com a FAF e proibiu o funcionamento do TJDAM do Futebol em funcionar nas dependências da Sede do Tribunal. Esclareceu Edson que o contrato de aluguel está em seu nome e é de sua responsabilidade. Logo, a partir de agora, a FAF não possui mais um local para reunir o TJD do Futebol, e isso pode trazer consequências catastróficas para a FAF.

“A quem interessa desacreditar a Justiça Desportiva? Indagou e respondeu Carlos Henrique: interessa aos dirigentes corruptos de clubes que vem ganhando com apostas em manipulação de resultados. O nosso Tribunal foi o primeiro no Brasil a condenar dirigente e atleta por manipulação de resultados. A nossa decisão foi convalidada pelo STJD, e isso incomodou muita gente. Por isso querem desacreditar a justiça desportiva, e o Presidente Rozenha está sendo o maior incentivador desse descrédito. Enfatizou.

Edson Rosas Junior recebeu a equipe do CINCO em seu escritório de Advocacia no Vieiralves. Ele estava acompanhado de seu Advogado Carlos Henrique Souza, ambos estão confiantes que a justiça será feita.

 

Representação contra Edson Rosas Junior – presidente do TJD-AM — Foto: Reprodução

Edson Rosas Junior recebeu a equipe do CINCO em seu escritório de Advocacia no Conjunto Vieiralves, acompanhado de seu Advogado Carlos Henrique Souza, ambos estão confiantes que a justiça será feita.