AnúncioAnúncio

Justiça

Lisboa e Brasília

Evento de Gilmar Mendes em Portugal reúne representantes de 12 empresas com processos no STF

O ‘Gilmarpalooza’, evento organizado pelo IDP, faculdade do próprio ministro do STF, fórum reúne autoridades e empresários em Lisboa; Supremo e empresas negam conflito de interesse. Especialista do Transparência Internacional no Brasil, diz o contrário.


Sócios, diretores e presidentes de 12 empresas com ações no Supremo Tribunal Federal (STF) participam como palestrantes da edição deste ano do Fórum Jurídico de Lisboa, evento que é organizado pelo IDP, a faculdade do ministro do STF Gilmar Mendes. Algumas dessas ações são relatadas pelo próprio magistrado.

Procurada, a Suprema Corte afirmou não haver conflito de interesses na situação, disse que os ministros conversam com vários setores da sociedade e afirmou que eles compartilham conhecimento com o público ao participarem do evento. Seis ministros do STF, incluindo o anfitrião Gilmar Mendes, viajaram a Lisboa para o Fórum. Já as empresas afirmaram que custearam as viagens de seus representantes e que não há pagamento de cachês.

Continua depois da Publicidade

Especialistas destacam, no entanto, que o fórum é organizado pela faculdade de Gilmar Mendes. Acrescentam, ainda, que os ministros deveriam assegurar a paridade de “armas” entre as partes e a imagem de que a Justiça não está privilegiando um dos lados.

O evento teve início nessa quarta-feira, 26, na capital portuguesa. A programação, que vai até sexta, 28, conta com palestras de magistrados, empresários, parlamentares, ministros do governo Lula, governadores e advogados, sob o pretexto de discutir as transformações jurídicas do País. Além de Gilmar Mendes, estarão presentes os ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes, Cristiano Zanin, Flávio Dino e Dias Toffoli.

Logo após a sua participação na mesa de abertura do Fórum, Gilmar afirmou que há “uma certa incompreensão” sobre o caráter do evento, que une os setores público e privado brasileiros na capital portuguesa. O decano do STF argumentou que os magistrados também participam deste tipo de debate no Brasil, mas o motivo de cruzarem o Oceano Atlântico é que o “evento de Lisboa se consolidou”. “As pessoas vêm”, resumiu o ministro.

Gilmar Mendes, ministro do STF, é idealizador do Fórum Jurídico de Lisboa Foto: Antonio Augusto/STF

Com duas ações em curso no Supremo Tribunal Federal, ambas sob relatoria de Flávio Dino, a Aegea Saneamento ganhou quatro mesas no Fórum Jurídico de Lisboa. A empresa irá falar sobre mudanças climáticas, infraestrutura na economia global, concessões de serviços delegados e desenvolvimento sustentável. Três desses seminários ocorreram nessa quarta, o primeiro dia do Gilmarpalooza. As palestras são compostas por ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ), desembargadores e diretores de agências.

Em maio, a Aegea entrou com duas reclamações constitucionais no Supremo para derrubar uma decisão do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) que manteve a realização de uma licitação para a prestação de serviços de esgotamento sanitário em 122 municípios paranaenses. A companhia alega que o processo permitiu a contratação de concorrentes que não ofereceram a melhor proposta. O advogado da Aegea é o ex-ministro do STF Ayres Britto.

Também nessa quarta-feira, o diretor pedagógico do Instituto J&F, Luizinho Magalhães, participou de uma mesa sobre o tema “Responsabilidade Social: O Papel do Setor Público e do Setor Privado”. Gilmar estava como moderador do seminário. O instituto é a entidade de investimento social do grupo J&F, dos irmãos Joesley e Wesley Batista e que tem em seu portfólio empresas como JBS, PicPay e Âmbar Energia. A Suprema Corte já tem questionamento sobre a disputa bilionária entre a J&F e a Paper Excellence pelo controle da Eldorado Celulose.

Joesley Batista não está na lista dos palestrantes, mas marcou presença no primeiro dia do Gilmarpalooza. Esse é o segundo ano seguido em que ele comparece ao evento.

Na manhã desta quinta-feira, 27, Gilmar irá participar de uma palestra com o CEO do BTG Pactual André Esteves. O tema são os desafios atuais da economia global digitalizada. O banco, que levou outros cinco palestrantes para o Gilmarpalooza, responde a três processos na Suprema Corte. O evento também conta com representantes da Prudential, Google, Grupo Votorantim, Eletrobras, Banco Safra, Bradesco, Magazine Luiza, Instituto Brasileiro de Mineração e Cosan – todos com ações em curso no STF.

“Isso é considerado conflito de interesse em qualquer país civilizado no mundo. Incluindo Portugal, onde esse evento também já está ficando conhecido por essas relações impróprias entre autoridades e empresários, inclusive muitos investigados por corrupção”, afirma Bruno Brandão, diretor-executivo da Transparência Internacional no Brasil.

Bruno Brandão é diretor-executivo da Transparência Internacional no Brasil – Foto: reprodução

Por sua vez, o advogado André Boselli, da Artigo 19, explica que o Gilmarpalooza evidencia a desigualdade do acesso à Justiça e macula a imagem de imparcialidade dos magistrados. A Constituição Federal estabelece, no artigo 5º, a igualdade das partes no curso do devido processo legal, termo conhecido como equidistância das partes.

“Eventos com esse perfil podem catalisar canais privilegiados de acesso a juízes por partes que estão litigando em um determinado tribunal, como empresários, seus representantes e políticos”, afirma Boselli. “Assim, em tese, pode haver algum tipo de influência ou pressão sobre os magistrados, ainda que indiretamente. O que não precisaria nem ser empiricamente demonstrado, pois o problema é anterior: é a mera possibilidade abstrata de isso ocorrer, maculando a imagem de imparcialidade que deveria revestir o Judiciário e prejudicando a própria instituição”, complementa o advogado.

Em nota, o STF afirmou que ministros do Supremo conversam “com advogados, com indígenas, com empresários rurais, com estudantes, com sindicatos, com confederações patronais, entre muitos outros segmentos da sociedade”. “E muitos participam de eventos organizados por entidades representativas desses setores, inclusive por órgãos de imprensa”, afirmou.

“Quando um ministro aceita o convite para falar em um evento – e a maioria dos ministros também tem uma intensa atividade acadêmica –, ele compartilha conhecimento com o público do evento. Por isso, a questão não está posta da maneira correta, não se pode considerar a participação do ministro no evento como um favor feito a ele pelo organizador. Por essa razão, não há conflito de interesses”, acrescentou o tribunal.

O IDP informou que o Fórum não custeia passagens nem hospedagem dos participantes.

Empresas negam conflito de interesse e afirmam que custearam viagens de seus representantes

Aegea

Aegea informou que os custos para a participação no XII Fórum Jurídico de Lisboa são de responsabilidade da própria empresa, que dispõe de um rígido código de conduta e compliance. Reforçou, ainda, que não há qualquer pagamento de cachê pela participação de seus profissionais em eventos. “A companhia participa ativamente de fóruns que fomentam temas relevantes para o desenvolvimento da infraestrutura do Brasil, reforçando seu compromisso com os avanços do país.”

BTG Pactual

BTG Pactual informou que é frequentemente convidado a participar de eventos diversos que abordam temas relevantes para o Brasil e o mundo. “Os assuntos abordados no 12º Fórum Jurídico de Lisboa são parte da expertise de porta-vozes do Banco, que habitualmente participam de painéis do tipo sem pagamento de cachê. Neste evento, bem como em outros, o banco arca com as despesas de seus executivos participantes”.

Prudential

Prudential informou que as viagens foram custeadas pela própria empresa e pela Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Complementar e Capitalização (CNseg). A empresa negou o pagamento de cachê e eventual conflito de interesse.

“A convite da CNseg, a presidente da Prudential do Brasil, Patricia Freitas, que é membro do Conselho Diretor da entidade, foi indicada para representar o setor de seguros no painel ‘Agenda Verde e desenvolvimento econômico’. O encontro irá debater os efeitos econômicos da transição climática, as melhores práticas do mercado na agenda ambiental e os planos de expansão do segmento, como instrumentos estratégicos para ampliar a cobertura securitária da população brasileira”, disse.

Eletrobras

Eletrobras explicou que Rodrigo Limp representará a empresa como debatedor em painel sobre transição energética, tema estratégico para a companhia, com todas as despesas pagas pela companhia e sem nenhum tipo de remuneração do evento.

Bradesco disse que a participação é realizada há vários anos em caráter pessoal e de interesse profissional.

Ibram

Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) explicou que está arcando com todos os custos desta viagem. “Nenhum cachê ou outra espécie de remuneração pela participação de Raul Jungmann foi negociada com qualquer instituição, empresa ou pessoa física.” “Raul Jungmann comparece a este evento pela sexta vez, portanto, muito antes de ocupar um cargo no Ibram – está na Presidência da Diretoria Executiva há pouco mais de dois anos. Ele está em Lisboa para atuar como palestrante e seu objetivo é abordar temas relacionados à defesa e à democracia, junto a ex-ministros da Defesa do Brasil. Sendo assim, o Ibram não reconhece nenhum conflito na participação dele”, acrescentou.

Google

Google disse ter sido convidado a participar da programação do Fórum Jurídico de Lisboa, no painel “Transformação Digital: Desafio e Oportunidades”, sem nenhum tipo de contrapartida. “Todos os custos para participação do Google no evento foram custeados pela própria empresa”.

Cosan

Já a Cosan informou que os executivos da empresa participaram de painéis relacionados às suas respectivas áreas de atuação (transição energética e desenvolvimento sustentável). “Os custos envolvidos são de responsabilidade da própria empresa, e não há pagamento de cachê.”

Empresas que não se manifestaram

Procurados, o Grupo Votorantimbanco SafraMagazine Luiza Instituto J&F não se manifestaram.