Internacional

Violência entre gangues, deixa mais de 471 mortos, feridos e desaparecidos no Haiti


A Organização das Nações Unidas anunciou que começou a prestar assistência às vítimas da recente onda de violência na comuna de Cité Soleil, na capital do Haiti, Porto Príncipe.

De acordo com um comunicado de imprensa divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU) no Haiti na segunda-feira (25) mais de 471 pessoas foram mortas, feridas ou desapareceram entre 8 e 17 de julho devido à violência de gangues armadas.

Continua depois da Publicidade

Em um comunicado sobre as vítimas na comunidade carente de Cite Soleil, a ONU informou que “graves incidentes de abuso sexual contra mulheres e meninas, bem como meninos sendo recrutados por gangues, também foram documentados. “

Quase 3 mil pessoas ficaram presas quando a guerra eclodiu em 7 de julho entre as gangues G-Pep e G-9 que lutavam pelo controle da vasta favela ao norte de Porto Príncipe. Organizações de direitos humanos disseram que pelo menos 4.500 pessoas fugiram da área para abrigos precários, incluindo cerca de 700 crianças sem pais.

De acordo com Ulrika Richardson, coordenadora humanitária da ONU no Haiti, “as necessidades humanitárias em Cite Soleil são vastas e estão se expandindo devido à pobreza, falta de serviços básicos, incluindo segurança, e um recente aumento da violência”.

Embora Cite Soleil esteja recebendo apoio de agências da ONU, Richardson afirmou que “uma solução mais sustentável e holística precisa ser pensada para o desenvolvimento de médio e longo prazo desta comuna simbólica”.

Uma série de sequestros foram cometidos por gangues que agora operam fora dos limites das favelas da capital haitiana. Em um relatório produzido pelo Centro de Análise e Pesquisa em Direitos Humanos, pelo menos 155 sequestros foram registrados em junho, contra 118 em maio.

A violência que eclodiu em Cité Soleil no início de julho ainda não foi abordada pelo primeiro-ministro Ariel Henry. As eleições de 2016 deixaram o Haiti em meio a uma crise política, agravada pelo assassinato do presidente Jovenel Moise em sua casa em 7 de julho de 2021.

ONU alerta para aumento de vítimas no conflito no Haiti 

Redação Portal CINCO