Guerra

Venezuela

Urgente: Venezuela declara guerra à República da Guiana

Acaba de encerrar o "referendo para consultar a vontade do povo" feito pelo DITADOR Nicolás Maduro.


Funcionários públicos e crianças foram obrigadas a votar e o “resultado” já esparado: Guerra na América Latina está começando.

Indígenas venezuelanos baixaram a bandeira da Guiana na Serra de Pacaraima, em Essequibo, e hastearam a bandeira da Venezuela no local

Continua depois da Publicidade

Enquanto isso, aviões da Força Aérea da Venezuela formam um “SIM” no céu hoje durante a votação do plebiscito sobre o território de Essequibo.

Referendo

Os venezuelanos rejeitaram, em referendo neste domingo (3), a jurisdição do Tribunal Internacional de Justiça sobre a longa disputa territorial do país com a vizinha Guiana e apoiaram a criação de um novo estado na região de Essequibo. Segundo a autoridade eleitoral local, mais de 95% dos eleitores aprovaram as cinco questões elaboradas pelo governo.

O tribunal proibiu a Venezuela de tomar qualquer medida que pudesse mudar o status quo na área, mas o governo do presidente Nicolás Maduro avançou com um referendo “consultivo” de cinco perguntas.

A província de Essequibo, um território rico em hidrocarbonetos maior que a Grécia, pertence à Guiana, embora seja reivindicado pela Venezuela desde 1841.

Não está claro como as autoridades venezuelanas pretendem implementar a anexação do território.

Elvis Amoroso, presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), indicou que foram contabilizados 10.554.320 votos no referendo, sem contar os votos emitidos durante a prorrogação de duas horas de votação.

O presidente da Guiana, Mohamed Irfaan Ali, disse que muitos guianenses viram o referendo com suspeita. Ele afirmou que “não há nada a temer nas próximas horas, dias e meses”.

Acrescentou que a Guiana utiliza a diplomacia como a sua “primeira linha de defesa” e trabalha continuamente para garantir que as suas “fronteiras permaneçam intactas”.

“Não vou entrar na política interna da Venezuela ou na sua formulação política, mas quero alertar a Venezuela que esta é uma oportunidade para eles demonstrarem maturidade, uma oportunidade para eles demonstrarem responsabilidade”, disse Ali.

Foram chamados a votar 20,7 milhões de venezuelanos de uma população de quase 30 milhões.

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, encorajou os eleitores venezuelanos a aprovarem o referendo de 5 perguntas (veja mais abaixo). Já a Guiana considera que o referendo é um primeiro passo para a anexação do seu território.

“O primeiro efeito que a voz poderosa e unida da Venezuela deveria ter é sentar-se com o presidente da Guiana e voltar ao acordo de Genebra”, disse Maduro ao votar neste domingo, fazendo uma referência ao tratado firmado pelo Reino Unido e o país em 1966 que reconhecia a reivindicação da Venezuela e determinava que venezuelanos e guianenses formassem uma comissão para resolver a questão.