Guerra

Oriente Médio

Em Israel, a difícil investigação dos crimes de estupro do Hamas no ataque ao festival ‘Universo Paralelo’

A polícia israelita anunciou no inicio de novembro a abertura de uma investigação sobre possíveis violações e violência sexual cometidas por integrantes do Hamas durante o ataque de 7 de Outubro ao festival Universo Paralelo (Tribo de Nova). Enquanto os testemunhos dos sobreviventes vão surgindo, a investigação terá agora de documentar estes crimes de guerra, apesar do tabu que os rodeia.


O ataque de 7 de outubro precisa ser reconhecido como um “feminicídio em massa”. Charlotte Gainsbourg (cantora e atriz)

45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo

Ainda não sabemos tudo sobre o ataque sangrento perpetrado pelo Hamas em 7 de Outubro. Mas, um mês e meio depois, começa a espalhar-se a notícia sobre a violência sexual cometida contra as mulheres israelitas, em particular as presentes no festival de música Tribe of Nova, que foi alvo do movimento islâmico no deserto do Negev.  

A polícia israelita anunciou em 14 de Novembro a abertura de uma investigação sobre violações e mutilações cometidas por homens do Hamas nesse dia. “Temos múltiplas testemunhas em vários casos”, especifica David Katz, chefe da seção cibernética da unidade de polícia criminal Lahav 433, apelidada de “FBI israelense”, citado pela AFP.   

Continua depois da Publicidade

Tropas israelenses inspecionam o local devastado por terroristas do Hamas perto do Kibutz Re’im, no deserto de Negev, no sul de Israel – Foto: Jack Guez/AFP

Depoimentos aos poucos   

Para apoiar as suas alegações, a polícia mostrou aos jornalistas um vídeo que mostrava os corpos de mulheres israelitas inertes e despidas após o ataque de 7 de Outubro, sugerindo que as vítimas tinham sofrido abusos sexuais. Na imprensa, multiplicam-se os testemunhos de sobreviventes. O diário israelita Haaretz repetiu a opinião  de uma jovem frequentadora de um festival, que disse ter testemunhado a violação coletiva de uma mulher. Ela foi então baleada na cabeça por homens do Hamas. Neste fim de semana, o Le Parisien publicou o retrato  de uma sobrevivente do 7 de outubro, “Esther”, que conta ter sido estuprada e espancada na frente do namorado: “Foi tão doloroso que perdi a consciência, pararam quando pensaram que eu estava morto.” A jovem descreve então ter sido mutilada por um homem do Hamas.  

Ao mesmo tempo, a polícia afirma ter recolhido testemunhos de vários voluntários da ONG Zaka, que recuperou os restos mortais após o massacre, indo neste sentido. “Os seus relatos descreviam numerosos corpos de mulheres nus e com sinais de brutalidade e abuso”, diz o jornal Haaretz. Além dos interrogatórios dos combatentes do Hamas detidos pelo Shin Bet, os agentes israelitas podem contar com inúmeras provas de vídeo (câmaras de vigilância, imagens das câmaras GoPro do Hamas), bem como no reconhecimento facial para tentar identificar os responsáveis ​​por estes crimes.  

“Certos elementos, como pélvis quebradas ou corpos de mulheres nuas, sugerem que houve estupros e outros abusos contra mulheres durante este ataque, o que não é surpreendente dada a sua barbárie, mas no momento temos muito poucos detalhes”, estima Céline Bardet, jurista em direito internacional, especialista em crimes de guerra. “O fenómeno da violação como arma de guerra é conhecido há muito tempo. É uma arma que destrói as gerações subsequentes”, acrescentam M e Julie Goffin, advogada da Ordem dos Advogados de Bruxelas e do Tribunal Penal Internacional (TPI). um órgão não reconhecido pelo Estado Hebreu.  

Imagem aérea do local abandonado após ataque ao Festival de Música do Deserto  por terroristas palestinos perto do Kibutz Re’im, no deserto de Negev, no sul de Israel  – Foto:  Jack Guez /AFP

“Negação” das instituições internacionais  

Em Israel, figuras da sociedade civil uniram-se numa comissão “sobre os crimes do Hamas cometidos em 7 de Outubro contra mulheres e crianças”. Alguns, como a professora de direito internacional Ruth Halperin-Kaddari, criticaram o silêncio da ONU sobre este assunto: “Ao permanecer em silêncio, omissa, a ONU não está apenas desiludindo mulheres israelitas”, ela desacredita todo o sistema. ” disse  o professor da Universidade Bar-Ilan em Tel Aviv ao diário Haaretz .

A mesma observação de Cochav Elkayam Levy, professor de direito internacional na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos: “Mulheres e meninas foram assassinadas, torturadas, aterrorizadas e estupradas das formas mais desumanas possíveis. As evidências são esmagadoras e inegáveis. E mais uma vez, o mesmo mecanismo de negação infligido a vítimas individuais de violação é agora infligido a todos nós (…) Em vez de nos oferecerem ajuda, estamos todos sujeitos à negação coletiva internacional.” escreveu ela na rede social.

“Em 90% dos casos, só restam as palavras das vítimas”   

Na terça-feira, 21 de Novembro, uma delegação da ONU Mulheres finalmente reuniu-se com membros da comissão civil israelita. No dia seguinte, Sima Bahous, diretora executiva da ONU Mulheres,  disse estar “alarmada com os relatos preocupantes de violência sexual e de género. Reiterei o apelo […] para que qualquer ato de violência contra o tratamento de mulheres e meninas, incluindo a violência sexual, é inequivocamente condenada e deve ser investigada exaustivamente com a mais alta prioridade.” 

Esses crimes ainda precisam ser documentados. Segundo Céline Bardet, o trabalho de investigação realizado pela polícia israelita poderá revelar-se particularmente difícil dado o contexto: “São corpos extremamente degradados nos quais os médicos forenses terão de trabalhar”. Seis semanas após o ataque de 7 de outubro, o trabalho de identificação dos corpos continua na base militar de Shura, convertida em necrotério. Por outro lado, “na religião judaica é muito importante enterrar os corpos rapidamente após a morte, pelo que parte dos exames médico-legais teve de ser realizada no mínimo”, acrescenta o antigo perito do Tribunal Criminal Internacional para a Ex-Iugoslávia (TPIJ).

Para a advogada Julie Goffin, “em 90% dos casos, tudo o que resta são as palavras das vítimas. Mas como em qualquer caso de violência sexual, a primeira coisa que se pensa é escapar e recuperar” do trauma. “Fazer com que os sobreviventes falem é muito importante, mas ao procurar esta verdade, também se pode desestabilizar as famílias e tornar o trabalho contraproducente. É por isso que a verdade pode levar anos a ser revelada.” No caso da Guerra da Argélia, onde foram documentadas violações em massa perpetradas pelo exército francês contra mulheres argelinas,  o assunto ainda permanece tabu, sessenta anos após os acontecimentos. 

Associações feministas estão dilaceradas  

Também em França o assunto irrompeu no debate público. Uma petição, que conta até agora com mais de 37 mil assinaturas, incluindo as da prefeita de Paris Anne Hidalgo (PS) e da cantora e atriz Charlotte Gainsbourg, exige que o ataque de 7 de outubro seja reconhecido como um “feminicídio em massa”. “Muitos civis morreram, mas as mulheres não foram mortas da mesma forma que outras”, sublinha o texto iniciado pela associação Paroles de femmes.   

Sábado, 25 de novembro, quase 200 pessoas do coletivo Nous vivre, a maioria de fé judaica, também quiseram levar a mensagem durante a manifestação contra a violência contra as mulheres  organizada pelo coletivo feminista Nous tous, que conta com 80 mil participantes. Eles prepararam cartazes com os dizeres “#MeToo, a menos que você seja judeu” ou “Feministas, seu silêncio torna você cúmplice”. Mas quando se juntaram à procissão parisiense, encontraram hostilidade por parte de um pequeno grupo antifascista e a polícia aconselhou-os a não insistirem. Um episódio que até fez reagir a Ministra da Igualdade entre Mulheres e Homens, Bérangère Couillard: “Como disse, devemos condenar toda a violência contra as mulheres. Incluindo as violações em massa como arma de guerra, em Israel e noutros lugares. (…) não queria que esta mensagem fosse ouvida”, declarou, comunicada em apoio no X.  

Por seu lado, o coletivo Nous tous  respondeu através de um comunicado de imprensa  que os manifestantes “marcharam pela praça com cartazes atacando algumas das associações organizadoras da manifestação” e na companhia de homens usando “luvas de concha o que preocupou as organizações presentes”. Além disso, o coletivo “condena inequivocamente os crimes sexuais e sexistas, as violações e o feminicídio cometido pelo Hamas”. 

Para tentar sair das polémicas, o Conselho Representativo das Instituições Judaicas de França (Crif) organiza uma “viagem de informação e solidariedade” a Israel com parlamentares franceses de 3 a 5 de dezembro. ONG como a Women’s Foundation ou a de Céline Bardet, We are not guns of wars (WWoW), que trabalha sobre a violência sexual em tempos de guerra, foram nomeadamente convidadas a participar.

Da esquerda para a direita: Gad Liebersohn, 21; Yarin Amar, 22; Yaelle Bonnet, 21. Sobreviventes do massacre na festa  Tribe of Nova fora do Kibutz Re’im, 7 de outubro de 2023 – Foto: Cortesia via JTA

Festival sangrento

Ao amanhecer de sábado, 7 de outubro, os jovens continuavam dançando quando, de repente, a música eletrônica parou. Era por volta de 6h30. E, à distância, ouviam-se ruídos abafados. “Gente, alerta vermelho, reagrupem-se”, advertiu o sistema de som.

Faíscas seguidas de explosões salpicam o céu alaranjado. O Domo de Ferro, o sistema de defesa antiaérea de Israel, interceptava os primeiros foguetes lançados pelo Hamas a partir de Gaza.

Nesse momento, “ainda estávamos rindo, sem levar a sério a situação”, explica à AFP Efraim Mordejayev, um soldado de 23 anos que estava de folga no fim de semana, coincidindo com o final da festa judaica de Sucot.

“Estamos acostumados com os foguetes” lançados de Gaza, diz. A Faixa, um território empobrecido onde vivem confinadas 2,3 milhões de pessoas, está submetida a um bloqueio israelense desde que o Hamas assumiu seu controle total em 2007.

O jovem e seus amigos começaram a se dispersar com tranquilidade, mas, logo percebem que há algo diferente. O perigo não vinha apenas do céu, mas também de homens armados, alguns em paramotores, outros em motocicletas ou caminhonetes.

“Quando vimos os terroristas, o pânico tomou conta”, lembra.

 Caçada

Foi então que começou uma caçada. Os agressores começaram a matar metodicamente quem cruzava seu caminho, indiscriminadamente. Os agentes de segurança e policiais presentes viram-se rapidamente sobrecarregados e também passaram a ser alvo dos ataques.

Todo o mundo corria para salvar sua vida: alguns para os campos no entorno do local do festival, outros tentando chegar a seus veículos nos dois estacionamentos do festival. Mas, rapidamente, se formou um engarrafamento.

“Olhei para trás e vi que, no carro logo atrás de mim, havia três cadáveres e todos os vidros estavam estilhaçados”, explica o soldado.

Captura de vídeo postado em 9 de outubro de 2023 mostra um terrorista palestino armado caminhando pelo festival de música Supernova, com um corpo atrás dele no deserto de Negev, sul de Israel – Foto: AFP

Restavam apenas duas opções: esconder-se ou fugir a pé pela planície. Mordejayev escolheu a segunda e correu, de arbusto em arbusto, aterrorizado, até que um veículo abarrotado o recolheu em campo aberto.

A rodovia 232, a única rota de saída deste inferno, tampouco é muito segura. Situada em paralelo ao muro fronteiriço que separa Israel da Faixa de Gaza, a estrada liga o kibutz vizinho de Reim à cidade de Sederot, cerca de 30 quilômetros mais ao norte.

Uma câmara em um carro que conseguiu escapar revela a armadilha em que caíram seus ocupantes. As rajadas disparadas por combatentes palestinos emboscados arrebentam o para-brisa e obrigam o motorista a parar, sem que se saiba se ele foi atingido.

A jovem Gili Yoskovich decidiu abandonar seu carro para correr pelos campos. No entanto, neste paisagem desértica, quase não há lugar para se esconder. A mulher avistou um pomar e correu para se proteger, com os agressores logo atrás.

“Foram de árvore em árvore e atiraram. Vi gente morrendo à minha volta. Fiquei calada. Não chorei, não fiz nada”, declarou à BBC após conseguir escapar com seu namorado. Mas nem todos tiveram a mesma sorte.

Durante horas, enquanto o ruído das armas automáticas se aproximava cada vez mais, alguns se jogaram atrás de um carro, dispersando-se desordenadamente. Tomados pelo pânico, alguns, inclusive, se fingiram de mortos entre os cadáveres com a esperança de sobreviver.

A ordem para matar sem misericórdia foi acatada

Três horas depois do início do ataque, os milicianos de Hamas continuavam com o massacre, sem encontrar resistência.

Imagens de câmeras de vigilância mostram um homem encapuzado e com colete à prova de balas levando, às 09h23 locais, um refém com uma camiseta ensanguentada.

Ao fundo, um jovem que se fingia de morto acabou se mexendo, pensando que poderia fugir, mas outro agressor se aproximou por trás dele e o executou à queima-roupa.

Diversos sobreviventes explicaram aos meios de comunicação que esperaram por até sete horas para serem regatados pelo Exército israelense. Os primeiros socorristas que chegaram se depararam com o horror e a proporção do massacre: 270 mortos.

Dezenas de veículos incendiados se amontoavam no acesso ao local. Ao longo de centenas de metros, sacos de dormir, colchões, calçados e coolers jaziam abandonados.

“Em cada carro havia um, dois ou três corpos”, explica Moti Bukjin, porta-voz da ONG israelense Zaka, à AFP. “Alguns tinham uma bala na cabeça ou no queixo”, e outros “foram atingidos quando tentavam fugir e caíram nas canaletas junto da estrada”.

Com informações da AFP e France24