Drogas

Américas

Corrupção, situação geográfica e dólar: entenda como o narcotráfico dominou o Equador

Com prisões nas mãos de grupos criminosos, aumento exponencial da violência e do poder dos narcotraficantes, o Equador, que há 10 anos tinha um dos menores índices de crimes da América Latina, se transformou em um importante ponto do tráfico internacional. A corrupção, a posição geográfica estratégica e a impunidade estão entre as causas da crise que o país atravessa.


O Equador, localizado entre a Colômbia e o Peru, os maiores produtores de cocaína do mundo, deixou de ser um país de trânsito para se tornar um depósito do narcotráfico, disse a ministra do Interior, Alexandra Vela, no domingo (3).

O Equador, sob pressão das gangues do narcotráfico, encontra-se sitiado, militares patrulham – Foto: Rodrigo Buendia/AFP

O presidente do Equador, Daniel Noboa, 36 anos, que está no poder há pouco mais de dois meses, prometeu acabar com a crescente violência no país. Após decretar estado de emergência na segunda-feira (8), o chefe de estado anunciou que o Equador entrava em um conflito armado interno e pediu ao Exército para intervir e neutralizar grupos criminosos.

Continua depois da Publicidade

Mas para Diane Sarrade, professora na Universidade de Bordeaux, especialista no Equador e pesquisadora do Centro ibérico e ibero-americano da Universidade de Nanterre, esta situação  “germinava há tempos”.

Para ela, as razões da crise atual são muitas. “Infelizmente, o Equador se transformou em alguns anos em um corredor do tráfico de drogas proveniente da Colômbia, do Peru e do México e são muitos os grupos criminosos ligados aos narcotraficantes que disputam o território”, diz.

Ela ressalta que durante os governos anteriores, do presidente Lenín Moreno (2017-2021) e de Guillermo Lasso (2021-2023), não foram tomadas medidas para limitar o poder dos grupos armados. Hoje, com a eleição do novo presidente e seu objetivo de aplicar um plano para reduzir o poder do tráfico, estas disputas começam a ser vistas de “maneira muito mais clara”.

“O Estado é tomado pela corrupção e manipulado pelos grupos”, diz a especialista, “infelizmente existe um ‘narcoestado’, com estes grupos dominando o poder”.

Diane Serrade explica que o Equador não soube evitar a chegada desses grupos armados, a diferença de países como a Colômbia e o México, que “conhecem o problema e sabem lutar contra os traficantes. Já no Equador, o Estado não tem o poder nem a competência para lutar contra o tráfico”, diz.

Por isso, o presidente Daniel Noboa pena para aplicar um plano eficaz.

O presidente equatoriano Daniel Noboa cumprimenta seus eleitores da varanda do palácio Carondelet, em Quito, em 23 de novembro de 2023 – Foto: Dolores Ochoa/AP

Impunidade e corrupção

“Essas máfias se instalaram no país exatamente devido a uma sensação de impunidade”, explica. Eles podiam realizar o tráfico sem que o Estado incomodasse e sem obstáculos. Então, finalmente, nestes últimos anos, eles construíram um poder enorme porque o Estado não soube enfrentá-los ou melhor, enfrentar o poder gerado pelo dinheiro do narcotráfico”, explica.

“A corrupção tem também um papel importante porque com o dinheiro das drogas, alguns funcionários fecharam os olhos para o trafico que se desenvolveu no país”, completa.

Geograficamente e economicamente o país apresenta vantagens para os narcotraficantes. A primeira delas é o dólar. O Equador não tem uma moeda nacional e utiliza o dólar americano, que possibilita a lavagem de ativos.

“Graças ao dólar, a economia criminal é mais fácil de desenvolver”, diz.

Do ponto de vista logístico, o país também conta com dois portos importantes, o de Guayaquil e de Santa Martha, que permite aos traficantes enviar a droga não somente para os EUA, mas para a Europa também.

Daniel Noboa, eleito com a promessa de trazer de volta a paz para o país, tem a intenção de implementar o plano Fênix, direcionado a dar às Forças Armadas um melhor preparo com as melhores armas para lutar contra o tráfico. “Hoje a realidade é que a polícia equatoriana está menos preparada que os traficantes de drogas, que os grupos criminosos. Então, o primeiro passo do presidente é treinar e armar a polícia, como ele mesmo disse”, salienta a especialista.

“A preocupação, em comparação com outros países, é que o Equador tem 22 grupos criminosos ligados ao tráfico de drogas que estão em guerra entre si e eles estabeleceram uma economia criminosa, paralelamente aos sequestros, extorsões”, explica. “Por isso, temos um sentimento de insegurança geral, que hoje a população equatoriana começa a sentir. Por isso o objetivo é dar um pouco mais de segurança, muito simplesmente concedendo mais recursos à aplicação da lei”, observa.

Mudanças

Até alguns anos atrás, o Equador era uma ilha de paz entre Colômbia e Peru, os dois maiores produtores mundiais de cocaína. Desde 2018, porém, ao ritmo das apreensões de drogas, começaram a aumentar os homicídios com a assinatura do crime organizado transnacional.

O assassinato a tiros do candidato presidencial de centro Fernando Villavicencio, segundo nas intenções de voto, chocou o país na quarta-feira. Seis colombianos foram presos pelo crime, e um sétimo morreu em um confronto com a polícia.

O magnicídio aconteceu às vésperas das eleições gerais antecipadas de 20 de agosto no Equador, onde a violência relacionada ao tráfico de drogas levou disparou a taxa de homicídios a um recorde de 26 por 100.000 habitantes em 2022, quase o dobro do ano anterior.

O ministro do Interior, Juan Zapata, destacou que mais de 13 organizações criminosas operam no Equador, incluindo Los Choneros, o mais antigo e poderoso, agora aliado do cartel mexicano de Sinaloa. A Inteligência militar contabiliza até 26 quadrilhas ligadas ao narcotráfico. O rival mais importante de Los Choneros, Los Lobos, está associado ao cartel mexicano Jalisco Nueva Generación.

Especialistas ouvidos pela AFP explicam que a guerra contra as drogas no México e na Colômbia levou cartéis desses dois países e máfias albanesas a se instalarem no Equador.