Brasil

Política

Human Rights Watch contesta fala de do presidente brasileiro sobre ‘narrativa’ contra Venezuela

Relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) publicado em setembro de 2022 apontou potenciais crimes contra a humanidade por parte do governo venezuelano.


Horas após o presidente Lula classificar as denúncias de autoritarismo e condutas antidemocráticas por parte do regime de Nicolás Maduro como uma “narrativa” inventada contra a Venezuela, a diretora da divisão de Américas da Human Rights Watch, Juanita Goebertus, criticou a fala do petista e declarou que o autoritarismo no país caribenho é uma “realidade inquestionável”.

Juanita Goebertus – Foto: reprodução

“Como no caso da Ucrânia, Lula deveria entender que, se deseja que o Brasil tenha um papel de liderança na questão da Venezuela, deveria prezar por um diagnóstico preciso – e não distorcido – da realidade. O autoritarismo na Venezuela não é uma narrativa construída. É uma realidade”, escreveu Juanita no Twitter.

Continua depois da Publicidade

Na tarde desta segunda-feira (29), durante a recepção pomposa de Nicolás Maduro no Palácio do Planalto, Lula celebrou a retomada das relações diplomáticas entre Brasília e Caracas – rompidas desde 2016, após o impeachment de Dilma Rousseff – e sugeriu que o presidente venezuelano é vítima de uma conspiração internacional ao se referir às denúncias de boa parte da comunidade internacional sobre a repressão do regime chavista.

“Se eu quiser vencer uma batalha, eu preciso construir uma narrativa para destruir o meu potencial inimigo. Você sabe a narrativa que se construiu contra a Venezuela, de antidemocracia e do autoritarismo”, afirmou Lula a Maduro.

O presidente brasileiro, no entanto, desconsiderou que a Venezuela foi objeto de um minucioso relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) publicado em setembro de 2022 que apontou potenciais crimes contra a humanidade por parte do governo venezuelano. Maduro é indicado no documento como o líder de uma estratégia sistemática de tortura e repressão a dissidentes e oposicionistas.

O relatório acusa o regime chavista de usar a inteligência venezuelana para perseguir inimigos do governo e promover violações contra os direitos humanos como tortura física e estupros desde pelo menos 2014. O aparelhamento dos órgãos de inteligência também contaria com o suporte de outras pessoas-chave do regime.

A Human Rights Watch e o regime ditatorial venezuelano

A Human Rights Watch divulgou em abril de 2019 o primeiro relatório sobre o que chamou de “crise de saúde e alimentos” na Venezuela.

A Venezuela atravessa crise humanitária desde 2017, segundo o relatório da Human Rights Watch

Em parceria com a Universidade Johns Hopkins, de Baltimore, nos EUA, o estudo cita violações dos direitos humanos para defender uma intervenção da ONU (Organização das Nações Unidas) no país latino-americano.

O relatório foi baseado em 150 entrevistas realizadas com profissionais de saúde e autoridades oficias sul-americanas na fronteira com a Venezuela, o Brasil e a Colômbia. A pesquisa constatou que, com falta de remédios e alimentos, houve o retorno de doenças anteriormente controladas e erradicadas.