Internacional

Guerra

ONU alerta para expansão contínua do Daesh (Estado Islâmico) na África

Grupo terrorista aumentou ataques no Mali, Burkina Fasso e Níger; Sudão e RD Congo também registram crescimento de ataques; relatório aponta estrutura descentralizada do grupo como fator dificultando ações antiterrorismo; texto cita Moçambique, Egito e Iêmen por iniciativas que limitaram ações do grupo.


O Conselho de Segurança das Nações Unidas acolheu nesta sexta-feira a apresentação do 17° relatório do secretário-geral sobre a ameaça colocada pelo grupo terrorista Daesh conhecido como Estado Islâmico do Iraque e do Levante.

O documento foi apresentado conjuntamente pelo subsecretário-geral da ONU para Contraterrorismo, Vladimir Voronkov, e pela diretora-executiva do Comitê Antiterrorismo, Natalia Gherman.

Continua depois da Publicidade

Expansão na África

Voronkov destacou que em algumas partes da África, a expansão contínua do Daesh e de grupos afiliados, bem como o nível crescente de violência e ameaça, continuam a ser “profundamente preocupantes.”

De acordo com o subsecretário-geral, a filial do Daesh na região do Sahel está se tornando cada vez mais autônoma e aumentando os ataques no Mali, Burkina Fasso e Níger.

Ele afirmou que os confrontos entre este grupo e uma filial da Al-Qaeda na região, juntamente com a situação incerta após o golpe de Estado no Níger, “apresenta um desafio complexo e multifacetado.”

Voronkov disse que o conflito e a instabilidade no Sudão também “renovaram a atenção” sobre a presença do Daesh e outros grupos terroristas. Ele destacou ainda o aumento de ataques no leste da República Democrática do Congo, onde mais de 500 pessoas morreram devido à violência.

Por outro lado, o relatório cita iniciativas antiterrorismo em Moçambique, Egito e Iêmen que “limitaram significativamente” a capacidade de Daesh de operar.

Subsecretário-geral da ONU para Contraterrorismo, Vladimir Voronkov – Foto: Manuel Elias (ONU)

Estrutura descentralizada

O chefe de contraterrorismo disse que as vítimas e sobreviventes “servem como poderosos lembretes da importância de sustentar esforços multilaterais contra o Daesh e o terrorismo em todas as suas formas e manifestações”.

Ele destacou o “progresso no combate às finanças e aos quadros de liderança do Daesh, incluindo a morte do líder do grupo no início deste ano.” Segundo Voronkov, essas ações tiveram um “efeito notável” nas operações da entidade terrorista no Iraque e na Síria.

O grande desafio apontado pelo subsecretário é que o “Daesh adotou um modelo menos hierárquico, com estruturas em rede e descentralizadas”, resultando em “maior capacidade operacional e autonomia para seus grupos afiliados.”

Conflitos existentes

Natalia Gherman complementou dizendo que “o Daesh continua ágil e ambicioso, apesar da diminuição de seu controle territorial.” Ela explicou que as atividades terroristas continuam ocorrendo, “predominantemente no contexto de conflitos existentes.”

A diretora do Comitê Antiterrorismo também citou fatores como “um cenário geopolítico fragmentado, incluindo a presença de grupos terroristas que operam em múltiplas regiões, e a emergência de novas áreas de conflito.”

Fonte: Organização das Nações Unidas