Guerra

Oriente Médio

Hamas liberta 12 reféns, Israel anuncia libertação de 30 prisioneiros palestinos

O grupo militante palestino Hamas libertou na terça-feira 10 israelenses e dois estrangeiros em troca da libertação de 30 prisioneiros palestinos das prisões israelenses sob os termos do acordo de extensão da trégua de dois dias. Os reféns libertados incluíam nove mulheres israelenses e um menor, além de dois cidadãos tailandeses. Os prisioneiros palestinos libertados incluíam 15 mulheres e 15 menores.


O Hamas e outros grupos extremistas ainda mantêm cerca de 150 reféns, dos 240 capturados durante o ataque ao sul de Israel, ocorrido a 07 de outubro passado.

Os mediadores desta crise reuniram-se no Qatar para tentar prolongar a trégua para depois de quarta-feira, no dia em que Israel e o Hamas trocaram acusações de violações graves da trégua que terminaram com uma troca de tiros no norte de Gaza.

Continua depois da Publicidade

Israel dizia-se disposto a prolongar o cessar-fogo – um dia por cada 10 reféns libertados – mas espera-se que o Hamas faça exigências, muito mais importantes, para a libertação dos soldados em cativeiro.

Até ao momento, e nos termos da trégua inicial de quatro dias, foram libertados 50 israelitas e 19 reféns, em negociações separadas. Entre eles estão 17 tailandeses, um filipino e um russo-israelense. Foram também libertados 150 palestinos das prisões israelenses.

Combatentes do Hamas e da Jihad Islâmica com refém libertada antes de entregá-la à Cruz Vermelha em Rafah, na Faixa de Gaza – Foto: Said Khatib (AFP)

Foi o quinto dia de uma frágil trégua entre Israel e o Hamas. O Movimento de Resistência Islâmica tinha prometido libertar mais reféns enquanto tentava prolongar o cessar-fogo para depois de quarta-feira. Enquanto Israel se via pressionado pelos EUA para proteger melhor os civis palestinianos em Gaza, no caso de um recomeço da ofensiva.

Israel tinha prometido retomar a guerra, com “força total” – para pôr fim ao domínio de 16 anos do Hamas em Gaza e esmagar as suas capacidades militares – quando tivesse a certeza de que não seriam libertados mais reféns, em cumprimento ao acordo estabelecido.

É quase certo que a ofensiva terrestre israelita avançará do norte de Gaza para o sul, onde se encontra atualmente a maior parte dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza.

Mais de 13.300 palestinos foram mortos desde o início desta guerra, cerca de dois terços dos quais mulheres e crianças (dados do Ministério da Saúde de Gaza) gerido pelo Hamas.

Mais de 1.200 pessoas foram mortas do lado israelense, na sua maioria civis mortos no ataque inicial. Pelo menos 77 soldados morreram na ofensiva terrestre de Israel.

Com informações da EuroNews