Internacional

Justiça

Disputa judicial entre Brad Pitt e Angelina Jolie sem fim à vista. Ator acusa ex-mulher de ser “vingativa”

Novos documentos legais relevam que Brad Pitt acusou Angelina Jolie de ser "vingativa" por vender a sua parte da vinícola após a decisão do tribunal acerca da custódia dos filhos ser contraria à atriz


Brad Pitt acusou Angelina Jolie de ser “vingativa” por ter vendido a sua parte da vinícola francesa que o ex-casal tinha em conjunto, em 2021,  após uma decisão da “custódia dos filhos adversa”, relatam os novos documentos legais apresentados na última quinta-feira (01) pelos advogados do ator.

A atriz vendeu a sua parte da vinícola francesa Château Miraval em outubro de 2021, a Tenute del Mondo, uma subsidiária do grupo Stoli, controlada pelo oligarca russo Yuri Shefler, após negociações para vender a sua quota da propriedade a Brad Pitt.

Continua depois da Publicidade

Château Miraval – Foto: Lionel Cironneau (AP)

“A sua decisão de pôr termo às negociações com Pitt foi intencional e pretextual (…) Como será demonstrado no julgamento, as ações de Jolie foram ilegais, prejudicando severa e intencionalmente Pitt e enriquecendo-se do forma injusta”

O advogado de Jolie, Paul Murphy, respondeu, em comunicado enviado esta sexta-feira (02), relembrando o processo judicial que Jolie apresentou em outubro de 2022 para contestar a acusação de Pitt, que considera a venda da propriedade ilegal.

Jolie tentou vender a sua parte ao ex-marido, e Pitt aceitou comprá-la por 54,5 milhões de dólares (cerca de R$ 270.216.669,00 milhões de reais) – mas sob a condição de a ex-mulher assinar um acordo de confidencialidade “que proibiria Jolie de discutir fora do tribunal qualquer conduta pessoal de Pitt em relação a ela ou à família”, incluindo as alegações de abuso do incidente de 2016, argumentou o advogado na sexta-feira.

Um representante de Pitt contestou os pormenores do processo, afirmando que o ator “assumiu a responsabilidade pelo que fez, mas não o fará pelas coisas que não fez.”

Brad Pitt apresentou pela primeira vez a ação judicial sobre a venda do Château Miraval em 2022, argumentando que a mesma era ilegal porque, segundo o ator, o casal tinha acordado que só iriam vender o terreno com o consentimento de ambos.

Angelina Jolie alegou, por sua vez, que esse acordo nunca existiu e que vendeu a sua parte da vinícola com o objetivo não só de obter “independência financeira”, como também “alguma forma de paz” na sequência deste “capítulo profundamente doloroso e traumático da sua vida e da vida dos seus filhos”.

Com informações da CNN (Portugal)