Brasil

Amazonia

PF cumpre mandados de prisão e bloqueia R$ 5,7 bilhões em bens de suspeitos de extração ilegal de ouro em terras indígenas e

Redes de supermercados de Manaus e Boa Vista são alvos de operação da PF de combate ao contrabando de ouro. PF descobriu esquema de contrabando de ouro venezuelano que entraria clandestinamente no Brasil como pagamento pela exportação de alimentos por mercados de RR e AM.


A Polícia Federal de Roraima deflagrou nesta quarta-feira (20) a operação Eldorado, que resultou em dois mandados de prisão preventiva e 40 mandados de busca e apreensão. A ação aconteceu nos estados de Roraima, Amazonas, Goiás e Distrito Federal, em um esquema de contrabando de ouro venezuelano que entraria clandestinamente no Brasil como pagamento pela exportação de alimentos por supermercados de Roraima e do Amazonas. Estima-se que o esquema ilegal tenha movimentado quase R$ 6 bilhões.

PF apresenta barras de ouro e objetos de luxo aprendidos na operação que mira Nova Era e Big Amigão em Manaus e Roraima – Foto: reprodução

Investigações apontam que o esquema envolvia o contrabando de ouro venezuelano, que entrava clandestinamente no Brasil como forma de pagamento pela exportação de alimentos por supermercados de Roraima e do Amazonas.

Continua depois da Publicidade

Na manhã de hoje, os agentes da PF estiveram nos supermercados Nova Era, na Avenida Torquato Tapajós, em Manaus, e no Big Amigão, localizado no bairro Cidade de Deus, zona Norte da capital.

Em nota, o Nova Era afirma que o objetivo da operação no supermercado era coletar informações sobre vendas e exportações.

Foto: reprodução

O Mercantil Nova Era, por meio desta nota, informa que na manhã desta quarta-feira, 20, recebeu em seu prédio administrativo a visita de agentes da Polícia Federal (PF) com a finalidade de coletar informações relacionadas a vendas de exportações. Toda equipe do MNE foi instruída de maneira a colaborar com a investigação da PF, fornecendo todos os documentos solicitados e acessos necessários“, diz a empresa.

Conhecido da PF

O empresário Cristiano da Silva Cordeiro, dono do Big Amigão, já foi alvo da PF outras vezes como na Operação Sangria de 2020 quando ele foi preso acusado de participar do esquema criminoso da compra de respiradores, que depois descobriu-se não passarem de ventiladores pulmonares que nem serviam para casos graves de Covid-19, numa loja de vinhos.

No ano de 2006, foi deflagrada a Operação Saúva, uma investigação que revelou um esquema de compras superfaturadas de alimentos envolvendo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Exército brasileiro, o governo estadual e as prefeituras da capital, Manaus, e de Presidente Figueiredo, no interior do estado. Um dos principais alvos da operação foi o empresário Cristiano da Silva Cordeiro, considerado pela Polícia Federal como a “saúva-rainha” do esquema.

A reportagem do Portal AM POST pediu um posicionamento do Big Amigão sobre a visita da PF hoje mas não obteve resposta até o fechamento desta matéria. Fica aberto espaço para resposta.

Esquema

De acordo com a Polícia Federal, as transportadoras contratadas para o envio das mercadorias escondiam o ouro contrabandeado no interior dos caminhões, que entravam em Roraima sem passar pelos procedimentos de fiscalização necessários e sem efetuar o pagamento dos impostos devidos.

O ouro então era vendido a outros participantes do esquema, que repassavam o minério para empresas especializadas na exploração e venda de ouro. Essas empresas, por sua vez, realizavam o pagamento às empresas de alimentos dos estados de Roraima e do Amazonas.

Após o pagamento às empresas de alimentos, o ouro era comprado novamente por outros integrantes do esquema e enviado para empresas atuantes no ramo de exploração de minério aurífero. Essas empresas eram as responsáveis por concretizar o pagamento aos supermercados e às distribuidoras de alimentos.

A operação Eldorado foi desencadeada após meses de investigação da Polícia Federal, que identificou diversas empresas e indivíduos envolvidos no esquema de contrabando de ouro venezuelano. As investigações agora seguem para identificar todos os participantes e responsabilizá-los pelos crimes cometidos.

O contrabando de ouro é uma prática ilegal que traz diversos prejuízos para o país, além de contribuir para o desvio de recursos e a lavagem de dinheiro. A operação Eldorado é mais um exemplo da atuação da Polícia Federal no combate a esses crimes.

Com informações do AM Post