Cultura

Meca

Arábia Saudita: Público recorde de 2,5 milhões de muçulmanos é esperado em peregrinação anual a Meca

Mais de dois milhões de muçulmanos deram início à peregrinação anual a Meca, na Arábia Saudita, neste domingo (25), sob um calor sufocante de 45° C, a primeira vez que se viu tantos fiéis no reino árabe desde a pandemia de Covid-19.


No coração da Grande Mesquita de Meca, fiéis de 160 países iniciaram o ritual do “tawaf”, as circunavegações ao redor da Kaaba, a grande estrutura cúbica coberta por um pano preto bordado com ouro, em direção à qual muçulmanos de todo o mundo se voltam para rezar.

Uma autoridade saudita disse neste domingo (25) que esperava um recorde de público em 2023. “Este ano será a maior peregrinação da história”, se tudo correr conforme o planejado. De acordo com esse funcionário do Ministério Saudita de Hajj e Umrah, que pediu anonimato, “o número de peregrinos excederá 2,5 milhões”.

Continua depois da Publicidade

“Esses são os dias mais felizes da minha vida”, disse Saïd Abdel Azim, um aposentado egípcio de 65 anos que, como a maioria dos homens, usa o ihram, duas camadas de tecido branco que envolvem o corpo. Essa viagem, para a qual ele disse ter economizado por 20 anos, é “um sonho que se tornou realidade”, disse ele.

Ritual da peregrinação anual a Meca, um dos cinco pilares do Islã – Foto: reprodução

Os pilares do Islã

O Hajj deve ser realizado pelo menos uma vez na vida de um muçulmano praticante que tenha condições financeiras. Ele consiste em uma série de ritos religiosos realizados durante vários dias na cidade sagrada e em seus arredores.

Neste domingo à noite, os peregrinos devem viajar para Mina, a cerca de cinco quilômetros da Grande Mesquita, onde passarão a noite, antes do rito principal no Monte Arafat, onde se diz que o profeta Maomé fez seu último sermão.

Mina, uma cidade de tendas brancas, está se preparando neste domingo para receber os peregrinos, com alimentos sendo trazidos e forças de segurança posicionadas ao redor da área.

“Grande bênção”

O fato de sediar as duas principais peregrinações muçulmanas, o Hajj e a Umrah (pequena peregrinação), confere prestígio e legitimidade aos governantes sauditas. Várias tragédias, incluindo debandadas fatais entre os fiéis, marcaram a história do Hajj, mas nenhum acidente grave foi registrado desde 2015.

“Não consigo descrever meus sentimentos”, disse Yusuf Burhan, um estudante indonésio de 25 anos. “Esta é uma grande bênção. Eu nunca imaginei que faria o Hajj este ano.”

Com as altas temperaturas, que se aproximam dos 45 graus Celsius, em uma das regiões mais quentes do mundo, representando um desafio cada vez maior, as autoridades criaram vários centros de saúde e enviaram 32.000 paramédicos.

Patrulhando a pé, sob guarda-chuvas brancos para se proteger do sol, a polícia borrifou água nos peregrinos. Dentro da Grande Mesquita, milhares de profissionais de primeiros socorros estão de prontidão.

Hotéis lotados

O Hajj, que custa pelo menos US$ 5.000 por pessoa, é uma importante fonte de receita para o maior exportador de petróleo do mundo, que está tentando diversificar sua economia. Antes da pandemia do coronavírus, ele gerava vários bilhões de dólares por ano.

Foto: reprodução

Este ano, as autoridades esperam chegar perto da marca de 2,5 milhões de peregrinos alcançada em 2019, depois de receber 926.000 visitantes em 2022. Em 2020 e 2021, no auge da crise de saúde, apenas alguns milhares de pessoas foram admitidas.

De acordo com o empresário saudita Samir Al-Zafni, todos os hotéis em Meca e arredores estão totalmente reservados até a primeira semana de julho. “Não há uma única cama vazia em nossa rede de 67 hotéis”, disse.

Foto: reprodução

O Hajj também é uma oportunidade para as autoridades demonstrarem mudanças sociais no reino ultraconservador, em face das acusações de violações dos direitos humanos. Em 2021, as mulheres foram autorizadas a fazer a peregrinação sem serem acompanhadas por um guardião masculino.

Ramot Ali, uma mulher do Níger, está realizando o Hajj pela primeira vez. “Estou muito feliz”, disse ela na sexta-feira ao deixar a Grande Mesquita após as orações da noite.

(Com informações da AFP)