Brasil

Justiça

Discussão com filho de Moraes não teve conotação política, dizem acusados à PF

A PF ouviu suspeitos de hostilizar Alexandre de Moraes na Itália. Segundo a defesa do empresário Roberto Mantovani Filho, sua esposa e filho, houve um "engano interpretativo" no caso.


O empresário Roberto Mantovani Filho, sua esposa e filho, acusados de agredirem o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, divulgaram, na noite desta terça-feira (18), por meio de seu advogado, Ralph Tórtima, uma nota na qual afirmam que, nos depoimentos que foram prestados à Polícia Federal hoje, disseram não haver qualquer envolvimento deles com ataques ao ministro, e que houve um “engano interpretativo”.

A nota diz que, “na data de hoje (18/07/2023), na Polícia Federal de Piracicaba, após mais de sete horas de depoimentos, deixaram assentado que: ‘não visualizaram ou encontraram o ministro Alexandre de Moraes, bem como qualquer familiar seu, na área de embarque do aeroporto de Roma’, conforme constou da representação por ele ofertada, evidenciando o engano interpretativo havido, o que torna claro que as pessoas que eventualmente o ofenderam ou cercearam seu deslocamento, são outras”.

Continua depois da Publicidade

Diz ainda que “que em nenhum momento foram ao encontro ou direcionaram qualquer ofensa ao ministro Alexandre de Moraes, quando o visualizaram, por segundos, na área de ingresso de uma sala VIP, situada no mezanino do aeroporto em questão”.

Foto: reprodução

Eles afirmam terem admitido nos depoimentos que houve uma “discussão inicial havida entre a pessoa de Andréia e dois jovens, uma mulher e um homem” e que “somente quando chegaram ao Brasil souberam tratar-se do filho do ministro”, e que a discussão “se deu sem que ele estivesse presente, por razões outras, desvinculadas do seu cargo e, também, sem qualquer conotação política”.

Argumentam, contudo, que a discussão ocorreu após a esposa do empresário ter sido agredida. “Que foram, em especial Andreia, gravemente ofendidos por mencionado jovem que, em duas oportunidades, os desrespeitou, com ofensas extremamente pesadas, o que somente cessou quando da intervenção do ministro Alexandre de Moraes, que o reconduziu ao interior da sala VIP”, afirma.

Declararam na nota também que, nos depoimentos, “reiteram estarem seguros de que as imagens do aeroporto evidenciarão o quanto afirmaram em depoimento, especialmente a mais absoluta inexistência de qualquer ato que pudesse, sequer levemente, atingir a imagem pública do ministro Alexandre de Moraes”.

E por fim comentam a operação da PF hoje que fez uma busca e apreensão em sua residência em Santa Bárbara D’oeste.

“Que a despeito de terem sido interceptados pela Polícia Federal, ao saírem do avião, na chegada ao Brasil, sendo fotografados, filmados e interrogados, com suas identificações expostas publicamente; bem como a despeito de terem sido procurados no último domingo, às 6:00 horas da manhã, pela Polícia Federal, para oitiva agendada para aquele mesmo dia, horas depois; bem como o fato de terem tido mandado de busca cumprido em suas residências e locais de trabalho, nesta tarde, em busca de celulares e computadores, mesmo assim, a despeito de tudo, continuam acreditando na Polícia Federal, no Ministério Público Federal e no Poder Judiciário, certos de que a Justiça prevalecerá após o encerramento das investigações.”

18-07 (7h35): As imagens das câmeras de segurança

As imagens das câmeras de segurança de aeroportos italianos só podem ser liberadas através de uma denúncia – denúncia feita diretamente na polícia italiana, pelos envolvidos no caso.

Se o ministro Alexandre de Moraes, registrou denúncia em território italiano, ele pode entrar com um processo requerendo as imagens para serem analisadas pelos órgãos competentes.

Por outro lado, se Moraes não fez a denúncia em território italiano, por qualquer motivo, a denúncia que foi depositada no Brasil deve ser transcrita e enviada com todos os requisitos necessários à policia italiana, isso requer tempo, e provavelmente até lá, podem ser deletadas.

trata-se de um dos aeroportos mais frequentados do mundo, as imagens de segurança têm um prazo de validade, não se sabe ao certo em quanto tempo essas imagens ficarão disponíveis.

Esse não é um caso para que a direção do aeroporto decida por ser de competência da polícia italiana

Se a policia não receber solicitação da parte de Moraes ou da parte dos supostos agressores nada de concreto poderá ser feito.

As imagens não são liberadas para uso público, somente para que órgãos competentes avaliem e cheguem aos fatos.

17-07: PF vai ouvir suspeitos de hostilizar Alexandre de Moraes

O caso foi divulgado no último fim de semana pela imprensa. Segundo as reportagens, o grupo teria chamado o ministro de “bandido e comunista”. Ao questionar os insultos, o filho do ministro foi agredido por um dos acusados. Moraes estava na Itália para participar de uma palestra na Universidade de Siena.

Foto: reprodução

Os três suspeitos já estão no Brasil e devem ser ouvidos pela PF nos próximos dias. De acordo com as investigações, o casal Roberto Mantovani Filho e sua esposa, Andrea Mantovani, e o genro, Alex Zanatta, estão envolvidos nas agressões.

1707: Defesa

Em nota, a defesa do casal disse que seus clientes não têm relação com os fatos e trata o caso como um “equívoco interpretativo”.

“Roberto Mantovani Filho e sua esposa lamentam, sinceramente, todo o acontecido, estando convictos da existência de equívoco interpretativo em torno dos fatos. Esclarecem que as ofensas atribuídas como se fossem de Andréa ao ministro Alexandre de Moraes foram, provavelmente, proferidas por outra pessoa, não por ela. Que dessa confusão interpretativa nasceu desentendimento verbal entre ela e duas pessoas que acompanhavam o ministro”, declararam os advogados.

No domingo (16), Alex Zanatta prestou depoimento na delegacia da Polícia Federal em Piracicaba e também negou ter proferido ofensas contra o ministro.