Política

França

Dia da Bastilha: França corteja a Índia em período de comemoração

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, é o convidado de honra na sexta-feira para as comemorações do Dia da Bastilha na França, a mais recente potência ocidental a cortejar a maior democracia do mundo e sua economia em expansão.


As boas-vindas do presidente Emmanuel Macron no tapete vermelho acontecem semanas depois que Modi recebeu a rara honra de um jantar de estado na Casa Branca em Washington – uma cidade que ele já foi proibido de visitar.

Essa visita viu acordos sobre vendas de armas, investimento em semicondutores e cooperação espacial, deixando de lado as preocupações com os direitos humanos sobre o governo nacionalista hindu da Índia e as acusações de crescente intolerância religiosa contra a minoria muçulmana do país.

Continua depois da Publicidade

Outros acordos estratégicos e econômicos são esperados em Paris, que busca ampliar seu envolvimento na Ásia ao lado de outras nações ocidentais para verificar a crescente assertividade chinesa na região.

A visita de Modi ao lado das tropas indianas que participam do desfile militar anual do Dia da Bastilha marca “uma nova fase na parceria estratégica entre a França e a Índia”, disse o escritório de Macron no Palácio do Eliseu em junho.

Ambos os países têm “uma visão compartilhada de paz e segurança, especialmente na Europa e na região do Indo-Pacífico”, acrescentou o comunicado, usando um termo usado pelos EUA e seus aliados para a região da Ásia-Pacífico.

Foto: reprodução

Modi, que cumprimentou o líder francês com seu habitual abraço de urso durante a primeira visita de Estado deste último à Índia em 2018, disse no Twitter na semana passada que estava “ansioso para se encontrar com meu amigo, o presidente Macron”.

“A Parceria Estratégica Índia-França tem grande importância para o bem global”, acrescentou.

A Índia já é um cliente de armas francesas, incluindo os caças Rafale da Dassault, enquanto busca modernizar suas forças para enfrentar potenciais ameaças futuras de seu vizinho do norte.

A urgência da tarefa de Nova Délhi foi intensificada por disputas latentes com Pequim sobre a imensa fronteira do Himalaia, local de um confronto em 2020 que matou 20 soldados indianos e quatro chineses e colocou as relações entre as duas capitais em queda livre.

jogo de balanceamento

A Índia já enfrentou uma pobreza esmagadora, mas sua classe média aumentou nas últimas décadas devido a uma economia em rápido crescimento, que no ano passado ultrapassou o ex-governante colonial britânico e se tornou a quinta maior do mundo.

Em abril, o país recebeu suas primeiras lojas de varejo da Apple, ansioso para explorar um mercado crescente de bens de consumo de luxo no que é hoje o país mais populoso do mundo.

A gigante da tecnologia dos EUA também está aumentando a produção de semicondutores e telefones na Índia para combater a ameaça de interrupções na cadeia de suprimentos politicamente motivadas na China.

A crescente influência econômica da Índia se encaixou com a assertividade diplomática, à medida que seus líderes apreciam a recém-descoberta proeminência do país no cenário global.

Este ano, a Índia está sediando a cúpula do G20 pela primeira vez e Modi aproveitou a reunião para polir sua imagem em casa como administrador do poder e da prosperidade nacional.

Modi conseguiu um bom equilíbrio entre o histórico aliado Moscou e seus novos pretendentes ocidentais, recusando-se a criticar a invasão da Ucrânia no ano passado, enquanto a Índia abocanha petróleo russo com desconto.

Ao mesmo tempo, seu governo foi recebido com entusiasmo em uma cooperação de segurança mais estreita com o Ocidente por meio da aliança Quad, um grupo que também inclui Estados Unidos, Austrália e Japão, e é visto como outra força de compensação para a China.

Modi assistiu a uma partida de críquete em um estádio com seu nome em março com o visitante australiano Anthony Albanese, que comparou o carismático líder indiano ao músico de rock Bruce Springsteen em uma recepção empolgante em Sydney dois meses depois.

“Tem a ver com a contenção da China”, disse Manoj Joshi, um autor e comentarista geopolítico baseado em Nova Delhi.

“A China está se tornando um mercado difícil… e em termos de tamanho e força de sua economia, a Índia se encaixa muito bem”.

Foto: reprodução

Preocupações com direitos

Mas as boas-vindas entusiásticas do presidente dos EUA, Joe Biden, no mês passado, a Washington, causaram pequenos tumultos quando vários legisladores boicotaram o discurso conjunto de Modi ao Congresso, citando seu histórico de direitos humanos.

Grupos de direitos humanos dizem que os 200 milhões de muçulmanos da Índia enfrentam crescente discriminação e violência desde que o Partido Bharatiya Janata (BJP) chegou ao poder em 2014.

O próprio Modi já foi objeto de uma proibição de viagem do Departamento de Estado dos EUA por causa dos distúrbios religiosos de 2002 durante seu mandato como ministro-chefe do estado de Gujarat ocidental, que mataram cerca de 1.000 pessoas, a maioria muçulmanos.

Ele negou qualquer responsabilidade pela violência e as investigações subsequentes do governo o inocentaram de culpabilidade.

Seu governo também foi acusado de sufocar a mídia independente, com a Índia caindo 21 posições para 161 de 180 países no Índice Mundial de Liberdade de Imprensa desde que ele assumiu o cargo.

Os escritórios indianos da BBC foram invadidos pelo departamento de impostos em fevereiro, semanas depois que a emissora britânica foi atingida por uma enxurrada de críticas ao governo por exibir um documentário questionando o papel de Modi nos distúrbios de Gujarat.

O partido governista negou que os ataques tivessem motivação política, enquanto diplomatas em Londres e Washington se recusaram a criticá-los.

Com informações da AFP