Guerra

Oriente Médio

Israel promete não diminuir a pressão para desmantelar o Hamas

As forças israelenses atacaram a Faixa de Gaza controlada pelo Hamas na segunda-feira, depois de cercar a principal cidade do enclave no domingo, ignorando os apelos de cessar-fogo das agências de ajuda da ONU, que condenaram o aumento das mortes de civis no conflito que durou um mês. Os combates ocorreram enquanto o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, mantinha conversações na Turquia, na última etapa de uma viagem diplomática que visa acalmar a raiva sobre o derramamento de sangue em Gaza e prevenir uma escalada regional.


BREVE RESUMO

  • Israel atacou a Faixa de Gaza com ataques “significativos” nesta segunda-feira (06), um dia depois de as suas forças terem alcançado a costa sul da Cidade de Gaza, cortando o enclave sitiado em dois. As forças israelenses “cercaram a cidade de Gaza… Agora existe um sul de Gaza e um norte de Gaza”, disse o porta-voz militar Daniel Hagari no domingo (05).
  • O rei Abdullah II da Jordânia disse que a força aérea do país lançou suprimentos médicos vitais para um hospital de campanha na Faixa de Gaza durante a noite. Israel confirmou que “coordenou” com a Jordânia para facilitar a entrega.
  • O secretário de Estado dos EUA,  Antony Blinken,  chegou à Turquia na última etapa de uma viagem diplomática que visa prevenir um conflito regional mais amplo. O principal diplomata dos EUA fez uma visita surpresa a Bagdá no domingo, após uma viagem à  Cisjordânia ocupada  no início do dia.
  • Os chefes das principais agências da ONU  emitiram uma rara declaração conjunta na noite de domingo pedindo um “cessar-fogo humanitário imediato”. O comunicado afirma que 88 trabalhadores da ONU morreram desde o início dos combates entre o Hamas e Israel, o número mais elevado “já registado num único conflito”.
  • O governo do Hamas em Gaza relatou “intensos bombardeios” na noite de domingo em torno de vários hospitais no norte da Faixa de Gaza, logo depois que as telecomunicações no território foram cortadas pela terceira vez.
  • O número de mortos em Gaza atingiu pelo menos 9.770 pessoas, incluindo 4.008 crianças, de acordo com o ministério da saúde no território palestino controlado pelo Hamas. Na  Cisjordânia ocupada , mais de 140 palestinos foram mortos na violência e nos ataques israelenses.

‘O futuro acabou’: As crianças sofrem amputações ou morrem na guerra de Israel com o Hamas

À medida que Israel prossegue o seu incansável bombardeamento da Faixa de Gaza, as crianças do enclave sitiado e densamente povoado pagam um preço terrível.

Continua depois da Publicidade

Um mural representando o ativista palestino Ahed Tamimi na barreira de separação de Israel na cidade de Belém, na Cisjordânia – Foto: Maya Alleruzzo, AFP

As autoridades de saúde no território controlado pelo Hamas afirmam que perto de 4.000 crianças foram mortas no conflito que durou um mês, com a agência da ONU/UNICEF alertando que Gaza se tornou “um cemitério para crianças”.

Na cidade de Khan Younis, no sul do país, os médicos de um hospital sem recursos não têm outra escolha senão amputar os membros das crianças devido à falta de suprimentos médicos.

11h55: Borrell, da UE, sugere plano para uma ‘pausa humanitária’ em Gaza, incluindo o acesso da Cruz Vermelha aos reféns

O chefe de política externa da UE, Josep Borrell, sugeriu na segunda-feira um plano segundo o qual Israel poderia suspender a sua operação militar em Gaza em troca da Cruz Vermelha ter acesso aos reféns detidos pelo Hamas.

“Penso que uma pausa humanitária contrabalançada pelo acesso aos reféns com o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) como um primeiro passo para a sua libertação é uma iniciativa na qual devemos trabalhar”, disse Borrell aos diplomatas da União Europeia em Bruxelas.

A UE, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha têm pressionado por “pausas humanitárias” nos combates entre Israel e o Hamas em Gaza para garantir que as pessoas no território sitiado obtenham ajuda.

Mas o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, descartou quaisquer tréguas temporárias até que todos os reféns capturados no ataque do Hamas em 7 de Outubro sejam libertados.

“Chame isso de trégua, janela, seja o que for, mas precisamos que a violência diminua e que o direito humanitário internacional seja respeitado”, disse Borrell.

11h49: Noruega explora maneiras de reviver o canal diplomático entre as autoridades israelenses e palestinas

O ministro das Relações Exteriores da Noruega, Espen Barth Eide, disse na segunda-feira que Oslo estava explorando maneiras de reviver um canal diplomático entre Israel e os palestinos para encontrar uma solução política para o conflito de décadas.

A Noruega serviu como facilitadora nas conversações de 1992-1993 entre Israel e a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) que levaram aos Acordos de Oslo em 1993. Essas conversações foram conduzidas em total sigilo.

Desde então, a Noruega manteve-se envolvida como presidente do grupo de doadores que coordena a assistência internacional aos Territórios Palestinianos, o Comité de Ligação Ad Hoc (AHLC).

Há agora interesse em tentar reavivar a AHLC como um possível canal para a diplomacia, disse Barth Eide, enquanto Israel continua a atacar Gaza no meio da sua guerra contra o grupo militante islâmico Hamas, que eclodiu no mês passado.

“Ouvimos agora muitos lados – o americano, o europeu e o árabe (lados), e de muitas partes (no conflito), que querem ver se pode ser relevante como canal novamente”, Barth Eide disse à emissora pública NRK.

“Esta guerra lembrou a todos que não há outra solução duradoura para isto do que uma solução de dois Estados, que se esperava ver depois dos Acordos de Oslo, há 30 anos.”

11h05: Exército israelense diz permitir que civis de Gaza se movam para o sul

As Forças de Defesa de Israel (IDF) publicaram uma mensagem nos seus canais de redes sociais árabes, acompanhada de um mapa, para informar os residentes de Gaza que estão a permitir a movimentação de civis do norte de Gaza para o sul do enclave sitiado.

“Hoje as FDI permitirão mais uma vez a passagem na estrada Salah al-Din entre 10h e 14h”, diz a mensagem. “Para sua segurança, aproveite esta próxima oportunidade para avançar para o sul, além de Wadi Gaza.”

10h50: Autoridade Palestina rejeita transferência parcial de impostos de Israel

A Autoridade Palestina não aceitará uma transferência parcial de fundos fiscais de Israel que retém quantias destinadas a despesas administrativas em Gaza, alertou o primeiro-ministro palestino, Mohammad Shtayyeh.

Shtayyeh disse esperar que a pressão internacional traga uma transferência rápida dos fundos, que são recolhidos por Israel em áreas da Cisjordânia ocupada, e pagos à Autoridade Palestiniana ao abrigo de um acordo de longa data entre os dois lados.

Parte dos fundos vai para pagar despesas em Gaza, incluindo os salários dos profissionais de saúde, que ainda são cobertos pela Autoridade Palestiniana, apesar de o Hamas controlar o enclave bloqueado.

10h15: França negocia com Egito para criar hospital de campanha para feridos em Gaza

A França está em conversações com o Egipto para estabelecer uma instalação médica militar no terreno, que incluiria capacidades cirúrgicas para pessoas gravemente feridas na vizinha Faixa de Gaza, disse o ministro da defesa francês ao jornal libanês L’Orient-Le Jour.

“Também ainda existem discussões com o Egipto, a fim de propor uma oferta de saúde militar francesa no terreno, particularmente fornecendo cirurgia para ferimentos de guerra”, disse Sébastien Lecornu ao jornal libanês.

A França enviou o porta-helicópteros Tonnerre para a região e está atualmente a equipar um segundo navio com instalações médicas avançadas, que deverá partir nos próximos 10 dias.

Paris também acolherá uma conferência humanitária internacional para a população civil em Gaza no final desta semana, numa tentativa de coordenar os esforços internacionais para o enclave palestiniano ocupado por Israel.

9h25: Autoridades de saúde de Gaza dizem que mais de 200 mortos em ataques israelenses durante a noite

Os ataques israelenses mataram mais de 200 pessoas durante a noite na Faixa de Gaza, disse o ministério da saúde administrado pelo Hamas no território palestino sitiado, acrescentando que o número de vítimas cobriu apenas a cidade de Gaza e a parte norte do enclave.

As forças israelitas intensificaram a sua ofensiva terrestre no norte de Gaza, ignorando os apelos das agências de ajuda da ONU para um cessar-fogo e instando os civis a fugir para partes do sul do enclave.

8h50: Soldado israelense esfaqueado em Jerusalém Oriental, agressor morto

Um agressor armado com uma faca esfaqueou e feriu gravemente uma mulher soldado israelense antes de ser morto a tiros na anexada Jerusalém Oriental, disse a polícia.

“Um terrorista armado com uma faca chegou à esquadra de polícia de Shalem e esfaqueou uma soldado… as forças da polícia fronteiriça neutralizaram o terrorista atirando”, disse a polícia num comunicado.

A polícia, que não deu detalhes sobre a identidade do agressor, disse que o soldado ficou gravemente ferido e outro sofreu ferimentos leves.

8h35: Número de mortos na França em ataques do Hamas sobe para 40

O número de cidadãos franceses mortos no ataque do Hamas em Israel, em 7 de outubro, aumentou para 40, disse a primeira-ministra francesa, Élisabeth Borne.

Borne disse à rádio France Inter que oito cidadãos franceses ainda estavam desaparecidos, alguns deles supostamente mantidos como reféns na Faixa de Gaza.

8h10: Ativista palestino Ahed Tamimi preso por ‘incitação ao terror’

O exército israelita afirma ter detido o proeminente activista palestiniano Ahed Tamimi, de 22 anos, durante uma operação na Cisjordânia ocupada.

“Ahed Tamimi foi preso sob suspeita de incitar à violência e atividades terroristas na cidade de Nabi Salih”, perto da cidade de Ramallah, disse um porta-voz do exército à AFP.

Tamimi ficou famosa aos 14 anos quando foi filmada mordendo um soldado israelense para impedi-lo de prender seu irmão mais novo, que estava com o braço engessado.

7h45: Israel diz que ‘coordenou’ com a Jordânia o envio de ajuda médica a Gaza

O exército israelense disse que “coordenou” com a Jordânia o lançamento aéreo de suprimentos médicos vitais para um hospital de campanha na sitiada Faixa de Gaza.

“Durante a noite, em coordenação com as IDF (Forças de Defesa de Israel), um avião jordaniano despejou equipamentos médicos e alimentos no Hospital Jordaniano na Faixa de Gaza. O equipamento será usado pela equipe médica dos pacientes”, disse o exército israelense em um comunicado. declaração.

6h50: Hezbollah diz que Israel ‘pagará preço’ após ataque mortal no Líbano

O grupo libanês Hezbollah, apoiado pelo Irão, afirma que respondeu a um ataque israelita no domingo que matou três crianças e a sua avó, alimentando ainda mais as tensões na volátil fronteira.

O Hezbollah disse que disparou uma série de foguetes contra a cidade de Kiryat Shmona, no norte de Israel, em resposta ao ataque, no qual três meninas com idades entre 10 e 14 anos foram mortas, segundo autoridades libanesas.

É a primeira vez que o Hezbollah anuncia o uso dessa arma específica durante quatro semanas de confrontos com as forças israelenses, sublinhando os riscos de escalada.

5h10: Israel intensifica ataques em Gaza apesar dos apelos de cessar-fogo

Israel atacou Gaza na segunda-feira com ataques “significativos” com soldados que lutam contra as forças do Hamas no território sitiado, ignorando os apelos de cessar-fogo das agências de ajuda da ONU que condenaram o aumento das mortes de civis no conflito que durou um mês.

“Estamos atacando o Hamas e avançando fortaleza após fortaleza, de acordo com o nosso plano, num esforço sistemático para desmantelar o Hamas das suas capacidades militares”, disse o porta-voz do exército israelita, Jonathan Conricus, à CNN.

“Temos tropas no terreno; infantaria, blindados, engenheiros de combate. Eles estão atacando e também direcionando fogo do ar”, disse ele, acrescentando que os esforços estão concentrados na rede de “infraestrutura subterrânea” de túneis do Hamas.

4h00: Blinken para tentar acalmar a raiva da Turquia em Ancara

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, mantém conversações duras na Turquia na segunda-feira, com o objetivo de acalmar a raiva de um dos aliados mais estratégicos, mas difíceis, de Washington sobre o derramamento de sangue em Gaza.

A primeira visita de Blinken desde que Israel entrou em guerra com o Hamas em represália ao ataque dos militantes em 7 de Outubro surge com a fúria de Israel e do Ocidente fervendo nas ruas da Turquia e dentro do palácio do presidente Recep Tayyip Erdogan.

A polícia usou gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar centenas de manifestantes que marcharam em uma base aérea que abriga forças dos EUA no sudeste da Turquia horas antes da chegada de Blinken no domingo.

3h49: O vice-presidente dos EUA, Harris, discutirá o aumento da ajuda humanitária a Gaza com líderes estrangeiros

A vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, discutirá os esforços do governo Biden para aumentar o fluxo de ajuda humanitária para Gaza em meio ao conflito Israel-Hamas durante uma conversa telefônica com líderes estrangeiros na segunda-feira, disse seu gabinete.

2h29: Chefes de agências da ONU unem-se no apelo ao cessar-fogo em Gaza

Os chefes de todas as principais agências da ONU emitiram uma rara declaração conjunta no domingo, expressando indignação com o número de civis mortos em Gaza e apelando a um “cessar-fogo humanitário imediato” na guerra entre Israel e o Hamas.

“Durante quase um mês, o mundo tem observado o desenrolar da situação em Israel e no Território Palestino Ocupado, em choque e horror com o número crescente de vidas perdidas e dilaceradas”, disseram os chefes da ONU.

Os chefes de 18 organizações, incluindo a UNICEF, o Programa Alimentar Mundial e a Organização Mundial da Saúde, descreveram o terrível número de vítimas mortais em ambos os lados desde o ataque do Hamas a Israel, em 7 de Outubro, que deixou cerca de 1.400 pessoas mortas, principalmente civis, segundo as autoridades israelitas.

1h08: Israel diz que parou de atirar por ‘muitas horas’ em partes do norte de Gaza para ajudar os civis a partir

Israel parou de disparar no norte de Gaza por várias horas, dois dias consecutivos, para criar uma passagem segura para os civis se deslocarem para o sul, disse um porta-voz militar à CNN no domingo, em meio à pressão por uma pausa humanitária.

“Ontem e hoje, durante muitas horas com aviso prévio e aviso, facilitamos, paramos de atirar em certas áreas do norte de Gaza, que é a principal área de combate, e pedimos aos palestinos que se deslocassem para o sul”, disse o tenente-coronel Jonathan Conricus.

12h53: Rei Abdullah II da Jordânia confirma lançamento aéreo de ‘ajuda médica urgente’ em Gaza

A Força Aérea da Jordânia lançou suprimentos médicos vitais para um hospital de campanha na sitiada Faixa de Gaza, disse o rei Abdullah II nesta segunda-feira.

“Nosso destemido pessoal da Força Aérea lançou à meia-noite ajuda médica urgente para o hospital de campanha jordaniano em Gaza”, disse ele no X, antigo Twitter.

Uma menina caminha entre os escombros de edifícios residenciais após ataques aéreos israelenses no bairro de al-Zahra, na Faixa de Gaza, em 19 de outubro de 2023

As Nações Unidas sublinharam nesta segunda-feira a morte na Faixa de Gaza de 88 elementos da Agência de apoio aos refugiados palestinos (UNRWA, na sigla anglófona) desde 7 de outubro, um trágico recorde de óbitos da ONU num único conflito, acrescentam.

Um balanço atualizado com mais 200 mortos anunciados já nesta manhã após os bombardeamentos da última noite sobre o enclave controlado pelo Hamas, grupo palestiniano considerado terrorista também pela União Europeia e que a há um mês fez mais de 1.400 mortos num ataque surpresa em território israelense.

Extremo: Jorgar bomba atômica em Gaza “é uma opção”, diz ministro de Israel

O Ministro do Patrimônio, Amichai Eliyahu, disse que bomba atômica é uma opção – Foto: reprodução X

Um ministro ultranacionalista israelense recebeu aprovação neste domingo (05) pelo chefe do Governo Benjamin Netanyahu depois de afirmar que usar uma bomba nuclear contra a Faixa de Gaza na guerra contra o Hamas palestino seria “uma opção”. O ministro do Patrimônio israelense, Amichay Eliyahu, declarou em uma entrevista a uma rádio que não estava totalmente satisfeito com a escala da retaliação israelense no território palestino após o ataque mortal do Hamas em solo israelense em 7 de outubro.

Todos os horários acima correspondem ao horário de Paris (GMT+1).

Com informações do France24,  AFP, AP e Reuters